Seleção enfrenta o pior time do Japão

Começa bem cedo (5 horas de Brasília, neste sábado) a operação final da seleção brasileira para tentar preservar em seu comando o técnico Emerson Leão. Nesse horário, o Brasil enfrenta o Tokyo Verdy, o pior clube da primeira divisão do Japão, com a obrigação de apresentar um futebol vistoso e de aplicar uma goleada. O amistoso será disputado no Tokyo Stadium, diante de um público estimado de 30 mil pessoas, e servirá para a definição do time que estreará dia 31 na Copa das Confederações, contra Camarões.Leão está desgastado na seleção e precisa fazer a equipe reagir urgentemente, depois de dois fracassos seguidos nas Eliminatórias do Mundial de 2002: derrota para Equador e empate com Peru. A partida será transmitida pela TV Globo para todo o País. O atacante Magno Alves, reserva no Fluminense, pode sair jogando. No coletivo de quinta-feira, ele foi o autor de um dos dois gols dos titulares. O meia Leomar, com seus passes laterais precisos, tem escalação garantida.Qualquer resultado que não seja uma goleada do Brasil pode deixar Leão mais próximo ainda de seu afastamento. Ele necessita de um ótimo desempenho nessa excursão ao Japão para continuar na seleção até, pelo menos, o jogo com o Uruguai, em 1º de julho, pelas Eliminatórias.Sobre o amistoso com o Tokyo Verdy, o treinador afirma que o mais importante vai ser a possibilidade de observar o comportamento dos jogadores, depois de três dias intensos de treinos, sem descanso ou tempo para adaptação ao fuso horário japonês. A seleção vai se exibir sob chuva contínua, conforme previa na quinta-feira o serviço local de meteorologia, o que deixará o campo pesado. "O toque de bola assim fica difícil. Temos de saber travar a jogada nessas circunstâncias", declarou o meia Robert, o camisa 10 da equipe.Leão pretendia escalar o time com o zagueiro Lúcio e o meia Zé Roberto. Como os dois estão contundidos, optou por Caçapa e Vagner. A situação delicada de Zé Roberto, entorse no joelho esquerdo, deverá resultar em seu corte até domingo. "Estamos aguardando alguma resposta ao tratamento, mas a recuperação é difícil", adiantou o médico José Luís Runco.O mais experiente do grupo é o volante Vampeta, de 27 anos, consagrado pelo Corinthians e hoje no Paris Saint-Germain. "Não tem essa de ser um clube em fase ruim que vai diminuir nosso ânimo. Vamos partir para cima, embora também considere mais relevante aperfeiçoar o entrosamento do grupo", prometeu Vampeta, tratado pela imprensa japonesa como o único "veterano" do Brasil na Copa das Confederações.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.