Seleção enfrentará lanterna do Japão

O Brasil vai ter uma grande oportunidade de voltar a triunfar, depois de perder para o Equador e empatar com o Peru. Pela primeira vez, a seleção quatro vezes campeã do mundo enfrentará um clube da Ásia: trata-se do Verdy Tokyio. O amistoso, no dia 26, em Tóquio, poderia ser considerado apenas como mais uma das aberrações a que têm se submetido a seleção nos últimos anos. O problema, porém, é bem mais grave. O Verdy Tokyo até a semana retrasada ocupava a última colocação da Liga Japonesa e esteve ameaçado de rebaixamento em 1998, quando terminou em 17º lugar na competição, disputada por 18 equipes.Melhorou em 1999 e 2000, anos em que obteve a 10ª posição. Tão grotesco quanto o amistoso em si foi o empenho do técnico Emerson Leão para a sua realização. Ele treinou o Verdy em 1996 - na época, chamava-se Verdy Kawasaki, e conseguiu um título pelo clube. A mudança de nome e de cidade (de Kawasaki para Tóquio) deu-se por causa dos seguidos fracassos da equipe, abandonada pelos torcedores e com seu prestígio em queda acentuada. Nem mesmo a imprensa especializada do Japão consegue entender o motivo que levou o Brasil a aceitar o amistoso."O Verdy é um pobre time da nossa Liga, não creio que o confronto tenha alguma utilidade para o Brasil", observou o jornalista Atsushi Nakayama, da revista esportiva World Soccer Graphic, com sede em Tóquio. Para ele, o treinador do Brasil tem ainda muita influência no clube. "O Leão deve manter algumas conexões com o Verdy."A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) deve receber em torno de US$ 500 mil pelo jogo, patrocinado por uma organização não-governamental do Japão, a Global Sports Alliance, formada por industriais do país e que lida com assuntos relacionados ao meio ambiente. O amistoso faz parte dos "preparativos" do Brasil para a disputa da Copa das Confederações, de 30 de maio a 10 de junho, no Japão e na Coréia do Sul.No início de 2000, a CBF marcou um amistoso contra a Tailândia - o Brasil venceu por 7 a 0 -, motivada por uma questão política: a entidade queria o apoio do representante daquele país na Fifa para ser a sede da Copa do Mundo de 2006. Conseguiu um voto em troca da exposição da seleção ao ridículo e de uma cota menor para amistosos fora do País. Antes, em abril de 1999, a seleção pré-olímpica recebeu uma turma de universitários dos Estados Unidos e aplicou goleada com o mesmo placar, em Brasília. Desta vez, porém, não há nenhuma justificativa para explicar a iniciativa. "Realmente, não sei por que esse jogo foi marcado", disse Junichi Onishi, repórter do Sports Nippon Newspapers.Para os jornalistas japoneses, entrevistados via e-mail pela Agência Estado, se o Brasil tivesse mesmo de atuar contra um clube japonês, o mais aceitável seria enfrentar o Kashima, o mais popular do Japão e detentor de três títulos importantes em 2000. Eles desconhecem que Zico, um dos diretores do Kashima, acirrou recentemente suas desavenças com o presidente da CBF, Ricardo Teixeira.Os ingressos para o jogo Verdy Tokyo x Brasil estão sendo vendidos a preços bem altos: entre US$ 50 e US$ 80. O valor equivale ao de partidas da seleção japonesa ou a de decisões da Copa Toyota. O Verdy é conhecido no país por não abrigar em seus quadros jogadores de outras nacionalidades. Assim como a seleção brasileira, o clube japonês é patrocinado pela Nike. O amistoso, no entanto, não foi programado nem indicado pela empresa de material esportivo. A idéia partiu mesmo de Leão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.