Seleção feminina ameaçou protesto público contra a CBF

Jogadoras entregariam manifesto à imprensa se entidade não pagasse os prêmios do Pan e do Mundial

Bruno Lousada, do Estadão,

04 de outubro de 2007 | 09h20

A seleção brasileira de futebol feminino pressionou a CBF a investir na modalidade e a pagar as premiações dos Jogos Pan-Americanos do Rio, disputado em julho, e da Copa do Mundo da China, horas depois de perder a decisão para a Alemanha por 2 a 0, no último domingo, em Xangai. A informação foi confirmada ao Estado por uma fonte que acompanhou o dia-a-dia das atletas durante o Mundial. Horas depois da decisão, as brasileiras se reuniram no hotel onde estavam concentradas na China e redigiram um documento com várias reivindicações. A intenção era entregá-lo à direção da CBF, o que não ocorreu por causa da agilidade da entidade, que se antecipou e anunciou algumas medidas rapidamente, antes mesmo de a seleção chegar ao Rio. As meninas chegaram a ameaçar distribuir o manifesto à imprensa assim que desembarcassem no Aeroporto Internacional Tom Jobim, no Rio. "Elas resolveram dar um basta. A crise foi contornada no avião. Já chegaram no Rio com um discurso pronto", contou a fonte. As jogadoras, então, fizeram um pacto para não revelar o teor do documento. O supervisor da CBF, Américo Faria, atuou como ‘bombeiro’, atendendo a um pedido do presidente da entidade, Ricardo Teixeira. Faria esteve no aeroporto e se reuniu com algumas atletas para comunicar, entre outras coisas, o pagamento da premiação pela medalha de ouro no Pan e pelo vice-campeonato mundial. Sem Previsão O técnico Jorge Barcellos se encontrou nesta quarta-feira com a diretoria da CBF, a fim de discutir a programação da seleção até o jogo contra Gana, em abril de 2008, que vai definir uma vaga para as Olimpíadas de Pequim. Até agora uma coisa é certa: a CBF não tem nenhuma previsão sobre possíveis amistosos da seleção feminina, uma das principais reivindicações do grupo na preparação para o confronto com a equipe africana. O Brasil perdeu a chance de se classificar ao ser derrotado pela Argentina e ficar com o vice-campeonato no Sul-Americano, disputado no ano passado em Buenos Aires. A equipe, na ocasião, atuou bastante desfalcada, sem as principais jogadoras, que atuam no futebol europeu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.