Divulgação/FFA
Divulgação/FFA

Seleção feminina australiana boicota treino e faz exigências

'As jogadoras não foram pagas nos últimos dois meses', diz goleira

O Estado de S. Paulo com Reuters

08 de setembro de 2015 | 09h12

A seleção feminina australiana seguiu os passos do time masculino e boicotou um treinamento de campo durante excursão pelos Estados Unidos devido à negociação para um novo acordo coletivo com a Federação Australiana de Futebol (FFA, sigla em inglês).

"Essa foi uma decisão muito difícil de ser tomada. No entanto, é injusto continuar exigindo que a gente faça sacrifícios enormes para jogar pela Austrália", afirma a goleira Lydia Williams. "Nos últimos dois meses, as jogadoras não foram pagas e fizeram várias tentativas para chegar a um acordo que dê ao jogo feminino uma plataforma para crescer."

A Federação Australiana de Futebol condena a Associação dos Jogadores Profissionais da Austrália por não ter sido notificada pela ação e disse que os jogos contra a equipe dos Estados Unidos, campeã do mundo, nos dias 17 e 19 de setembro agora estão incertos.

"É triste que as 'Matildas' (jogadoras da seleção australiana) foram arrastadas para uma disputa que se trata principalmente sobre a A-League" , disse David Gallop, presidente-executivo da FFA. "A oferta para elas seria basicamente dobrar o salário ao longo dos próximos quatro anos. A FFA continuará buscando um acordo que é sensato e protege os interesses do jogo", completa.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.