Wilton Junior/Estadão
Wilton Junior/Estadão

Seleção inicia nesta quarta sequência de treinos fechados em Sochi

Expediente de fechar trabalhos é historicamente raro, mas vem sendo adotado desde o começo da preparação para a Copa

Leandro Silveira e Marcio Dolzan, enviados especiais / Sochi, O Estado de S.Paulo

12 Junho 2018 | 19h00

SOCHI - Após realizar nesta terça-feira, 12, um treino aberto ao público, com a presença de cerca de 4 mil pessoas no Estádio Slava Metreveli, em Sochi, a seleção brasileira adotará a partir desta quarta-feira, 13, a rotina de fechar boa parte das atividades, em busca de maior privacidade. A comissão técnica dirigida por Tite programou a realização de dois trabalhos, liberando a presença de profissionais da imprensa por apenas 20 minutos no segundo deles. 

+ Por segurança, Fifa faz varredura no local de treino da seleção em Sochi

+ Após treino sob calor, Neymar elogia 'clima perfeito' em Sochi

+ Treino leve para titulares da seleção frustra torcida em Sochi

O primeiro treinamento do dia está programado para as 9 horas locais (3 horas de Brasília) desta quarta. Já a sessão vespertina começará às 16 horas (10 horas de Brasília), com a imprensa tendo acesso apenas aos 20 minutos iniciais. Depois do treino, então, será realizada entrevista coletiva com o volante Paulinho, do Barcelona. 

O expediente de fechar treinos é historicamente raro no Brasil, mas vem sendo adotado desde o início da preparação da seleção para a Copa, na Granja Comary, em Teresópolis (RJ), estratégia que se repetiu em Londres, segunda etapa da preparação da seleção para o torneio. Agora, na Rússia, ela deverá ser, inclusive, amplificada. 

De acordo com a programação divulgada pela CBF antes do início dos treinos para a Copa, ainda em Teresópolis, a equipe fechará as outras atividades antes da estreia na Rússia, domingo, 17, em Rostov-on-Don, contra a Suíça. Será assim na quinta-feira, 14, com apenas 20 minutos abertos, na sexta-feira, 15, com a atividade sendo toda "secreta", e também no sábado, 16, com somente 15 minutos liberados na Arena Rostov. 

 

O goleiro Alisson garantiu que o grupo de jogadores aprova a decisão de Tite de fechar os treinos, não só para não revelar jogadas a eventuais "espiões", mas por avaliar que a situação deixa os jogadores mais concentrados. A prática, aliás, é comum em clubes da Europa, como é o caso da Roma, defendida pelo goleiro. 

"Ambas as situações são válidas. Hoje (terça-feira) foi aberto e também gostamos, pelo carinho do torcedor e por poder retribuir esse apoio. Para a concentração, é importante também, para trabalhar jogadas diferentes. E também pelo nível de concentração", comentou Alisson, em entrevista coletiva.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.