Divulgação/Federação Italiana
Divulgação/Federação Italiana

Seleção italiana, clubes e ídolos do futebol fazem homenagens a Paolo Rossi

Itália, Juventus, Zico e outros craques se despediram do ídolo italiano, que morreu na noite de quarta-feira

Redação, O Estado de S.Paulo

10 de dezembro de 2020 | 11h47

A morte de Paolo Rossi na noite de quarta-feira rendeu uma série de homenagens na manhã desta quinta. Ícones do futebol, clubes e a seleção italiana, pela qual o jogador fez história na conquista da Copa do Mundo de 1982, deram adeus ao ídolo e prestaram seus tributos. Ele morreu aos 64 anos, vítima de um cãncer no pulmão descoberto há pouco tempo.

A seleção italiana publicou em suas redes sociais um vídeo com o gol de cabeça marcado por Rossi na final do Mundial de 82. Na ocasião, a Azzurra venceu a Alemanha por 3 a 1 e ficou com o título, o seu então tricampeonato. Além disso, também postou uma foto do ídolo comemorando. "Adeus, Pablito. Herói azzurro", escreveu.

Naquela Copa, o atacante foi algoz do Brasil ao marcar três vezes no triunfo por 3 a 2. A seleção brasileira era comandada por Telê Santana e tinha diversos craques, como Zico, Falcão, Júnior e Sócrates. Mas foi a Itália que terminou com o título, então o tricampeonato mundial, muito graças ao talento de Rossi. Ele terminou o torneio como artilheiro, e é até hoje o maior goleador da história da Itália em Copas, com nove gols, ao lado de Roberto Baggio e Vieri.

No futebol italiano, Paolo Rossi defendeu a Juventus, o Vicenza, o Perugia, o Milan e o Verona. Foi na "Velha Senhora" onde ele teve mais sucesso. Conquistou a então Copa dos Campeões da Uefa, a Recopa Europeia, a Supercopa Europeia, a Copa da Itália e duas vezes o Campeonato Italiano. O clube de Turim fez sua homenagem ao atleta e publico um relato em seu site oficial no qual recorda as façanhas do craque.

"Se vocês olharem em seus quartos, provavelmente encontrarão um pôster daquela incrível Juve. Aquela Juve que, com ele para fazer os gols mais importantes, de 1981 a 1985, ganhou literalmente tudo. Na Juve, Paolo renasceu, deixando as dificuldades para trás e se tornando aquele a Itália festejaria naquele verão de 1982", diz trecho do texto.

"Se você encontrou aquele pôster daquela magnífica Juve, abra-o e cumprimente de maneira especial aquele menino com o nove nos ombros. Porque poucos nascem como ele".

O Milan também prestou seu tributo a Rossi, que defendeu o time rossonero depois de sair da Juventus, na temporada 1985/1986. "Admiramos você com a camisa azzurra, te abraçamos com a camisa rossonera. Nossa lembrança para sempre ao lado de seu doce sorriso. Adeus, Pablito!", escreveu o clube nas redes sociais. O pequeno texto foi acompanhado de uma imagem do italiano sorrindo em comemoração de um gol.

Personalidades do futebol também lamentaram a morte de um dos grandes jogadores da história. Um deles foi Zico, um dos destaques da seleção brasileira na Copa de 1982 e que esteve em campo na famosa Tragédia do Sarriá. "Descanse em paz, Bambino D'oro e grande amigo", disse Zico, que postou uma montagem com varias fotos ao lado do italiano.

O ídolo polonês Boniek escreveu um texto curto, mas emocionado, com a morte do antigo parceiro de ataque nos tempos de glória da Juventus. "Eu admito ... eu choro. Você fazia parte do grupo de 'Amigos Verdadeiros' ... com você eu não só ganhei ... mas também vivi".

Os dois jogaram juntos de 1982 a 1985 na Juve e formaram uma dupla de sucesso, com vários títulos.

O velório de Rossi será na manhã deste sábado, na Catedral de Vicenza, na Itália.  Hoje, o corpo do atleta ainda está no hospital Le Scotte, em Siena, onde foi hospitalizado após o agravamento do câncer no pulmão. Apenas parentes e amigos estão por lá. Nesta sexta ele deve ser levado para Vicenza.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.