Seleção italiana é recebida com festa e ganha homenagem

Depois de 24 anos de espera sem conquistar um Mundial, milhares de torcedores recepcionaram a seleção italiana nesta segunda-feira após a conquista da Copa do Mundo da Alemanha, o quarto na história do país. O avião com a delegação da "Azzurra" chegou na base militar de Pratica di Mare, a 30 km de Roma, por volta das 18h30 (13h30 no horário de Brasília), com cinco silhuetas de jogadores pintados em sua fuselagem. Lembrando a cena promovida pelo atacante brasileiro Romário em 1994, o piloto acenou com uma bandeira da Itália da janela da cabine do avião na hora da aterrissagem. Na saída da aeronave, o zagueiro e capitão Fabio Cannavaro ergueu a Copa da Fifa para a alegria dos fãs que aguardavam os campeões. Ele estava ao lado do treinador Marcello Lippi e do vice-presidente da Federação Italiana de Futebol, Giancarlo Abete. O goleiro Gianluigi Buffon, com óculos escuros e a medalha de ouro pendurada no peito, desceu em seguida, acompanhado pelo volante Gennnaro Gattuso. Assim como o meia do Milan, alguns atletas chegaram no país com a cabeça raspada. A atitude lembrou a cena após o apito final do confronto com os franceses, quando Mauro Camoranesi deixou os companheiros cortarem o seu rabo-de-cavalo no gramado para pagar a promessa pela conquista do Mundial. Durante as celebrações, a patrulha aérea das Forças Armadas italianas, "as flechas tricolores", executaram acrobacias inéditas para receber a seleção nacional de futebol. Os caças soltaram fumaças com as cores da bandeira italiana (verde, vermelho e branco). "Vencer a Copa do Mundo é algo que pode acontecer uma vez só na vida", afirmou o torcedor Manuel De Paolis, 19, que foi recepcionar a equipe nacional. "Faria de tudo para não perder isso, eu tinha que vir. A vitória sobre a França foi fantástica. Teve um gosto de vingança depois que eles nos venceram em 1998 (Copa da França)", disse De Paolis. "Viemos porque para nós essa é a primeira vitória na Copa. Não estávamos aqui em 1982, pra mim é uma emoção inédita", explicou Federica Cotticelli, também de 19 anos. Após a festa no aeroporto, os jogadores seguiram à capital, onde foram recebidos pelo presidente Giorgio Napolitano e pelo primeiro ministro Romano Prodi. No encontro, Napolitano concedeu aos atletas, à comissão técnica e aos dirigentes da federação local a "Ordem do Mérito da República" pela conquista do tetracampeonato. A homenagem reconhece os valores esportivos e do espírito nacional. As insígnias, no entanto, só serão entregues em uma data ainda não divulgada, durante cerimônia no Palácio do Quirinale, sede da Presidência italiana, em Roma. Somado a isso, o técnico Marcello Lippi e seus jogadores desfilaram pelo centro de Roma em um ônibus aberto até o Circus Maximus, onde cerca de 1 milhão de pessoas os aguardavam.

Agencia Estado,

10 Julho 2006 | 16h47

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.