Lucas Figueiredo/ CBF
Lucas Figueiredo/ CBF

Seleção joga na altitude da Bolívia para confirmar melhor campanha da história nas Eliminatórias

Com a classificação para a Copa do Mundo do Catar assegurada, Tite promoverá novos testes em La Paz

Marcio Dolzan / RIO, O Estado de S.Paulo

29 de março de 2022 | 05h00

Será a 3.600 metros de altitude que a seleção brasileira tentará estabelecer um recorde na noite desta terça-feira. Se vencer a Bolívia pela última rodada das Eliminatórias Sul-Americanas, o Brasil chegará a 45 pontos e alcançará a maior pontuação de uma equipe desde que o atual sistema foi implementado, na segunda metade da década de 1990. De quebra, um triunfo frente aos bolivianos assegura o título simbólico do qualificatório ao Brasil e ainda deverá devolver a seleção ao topo do ranking da Fifa.

Todos esses números atestam uma campanha quase irrepreensível da seleção na fase classificatória para a Copa do Mundo do Catar, mas o próprio técnico Tite faz questão de minimizar a importância dos números.

“Ficar em primeiro no ranking (da Fifa) tem significado, sim. Mas pra mim, particularmente, (o importante) é ver de novo a equipe jogar muito bem, é de novo ela conseguir estrategicamente passar por estas adversidades, ter seu futebol representado com qualidade técnica, de posse de bola”, disse o treinador ainda na Granja Comary, em Teresópolis, na última entrevista antes do jogo em La Paz.

O treinador ressaltou que o recorde de pontos, apesar de representativo, também tem pouco resultado na prática. “É pelo trabalho, consolidação. O (Marcelo) Bielsa é um cara que eu respeito pra caramba, a Argentina fez uma grande campanha (nas Eliminatórias para a Copa de 2002) e aí ela saiu na primeira fase, num pênalti cometido pelo Heinze”, recordou o técnico. “É mais uma etapa de consolidação e evolução. Isso pra mim me fascina.”

Com 42 pontos, o Brasil tem quatro a mais que os argentinos e só não assegurou o título simbólico das Eliminatórias porque a Fifa determinou que as duas seleções façam o jogo suspenso do ano passado - a data e o local ainda não foram definidos. No entanto, caso a seleção supere a Bolívia ou a Argentina tropece contra o Equador no mesmo horário, a partida que foi suspensa não teria absolutamente nenhuma influência na tabela final.

MUDANÇAS

Para a partida contra a Bolívia, Tite fará sete mudanças em relação ao time que goleou o Chile na quinta-feira passada, no Maracanã. “Não tem influência (na classificação), mas tem muita influência em termos de estratégia, naquilo que a gente pode retirar de melhor na equipe em cima das adversidades, da altitude, em cima de uma série de resultados que a gente não teve lá historicamente contra a Bolívia”, considerou o técnico.

Assim, a seleção terá mudanças em quase todos os setores, à exceção do gol. A principal expectativa é pelo desempenho ofensivo, que funcionou bem no último jogo, mas desta vez não contará com Neymar e Vinicius Jr, que estão suspensos.

FICHA TÉCNICA

BOLÍVIA X BRASIL

BOLÍVIA - Rúben Cordano; Enoumba, Carrasco, Haquín e José Sagredo; Franz Gonzáles, Roberto Fernández, Villarroel e John García; Menacho e Montenegro. Técnico: César Farías

BRASIL - Alisson, Daniel Alves, Marquinhos, Éder Militão e Alex Telles; Fabinho, Bruno Guimarães e Lucas Paquetá; Antony, Coutinho e Richarlison. Técnico: Tite

JUIZ - Eber Aquino (PAR)

HORÁRIO - 20h30 (de Brasília)

LOCAL - Estádio Hernando Siles, em La Paz (BOL). ONDE ASSISTIR - TV Globo e SporTV. O Estadão acompanha em tempo real o jogo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.