Seleção: preocupação com a segurança

Cerca de 24 horas do jogo contraHonduras, que vai definir se o Brasil chega ou não às semifinaisda Copa América, a preocupação da delegação brasileira, pelomenos neste domingo, não é o adversário, mas sim a segurança deseus integrantes. A explicação é simples. Pela primeira vezdesde que chegou a Cali, a equipe terá de se deslocar dentro doterritório colombiano. E com um agravante: parte do trajeto serápercorrida por via terrestre.De acordo com a programação oficial da seleção brasileira, queentre os jornalistas já é conhecida como ´previsão do tempo´(pois está sempre sujeita a chuvas e trovoadas), o Brasil deveseguir de Cali para Pereira neste domingo, após o treino datarde. A ida para Manizales aconteceria segunda-feira, comchegada prevista ao Estádio Palo Grande, local do jogo contraHonduras, apenas uma hora e meia antes do horário da partida.É exatamente essa segunda parte da viagem que está preocupando aequipe da Polícia Federal (PF) que está acompanhando a delegaçãodesde o embarque em São Paulo. Segundo o delegado da PF ecomandante do grupo de cinco oficiais brasileiros que está naColômbia, Alberto Lasserre, um percurso terrestre sempredesperta mais atenção. "É um momento em que é necessário tercuidados extras, sobretudo com ações de guerrilha", afirmou.Para evitar qualquer tipo de problema, já foi traçado um planode segurança entre as equipes da polícia brasileira ecolombiana. A principal operação a ser realizada será, como échamada no jargão dos policiais, uma ´varredura´ em todo otrajeto de, aproximadamente, 50 quilômetros de estrada que ligaas duas cidades da região cafeteira. "Esse procedimento é feitoduas vezes", disse Lasserre. "O primeiro ocorre 24 e o segundoduas horas antes de a comitiva passar pelo local."Detalhes - Por questões de segurança, os agentes brasileirosevitam comentar os detalhes que envolvem uma operação como esta.Qualquer atitude diferente desta seria como armar eventuaisinimigos. Mas a preocupação com movimentações terrestres ébásica na cartilha desses profissionais. Enquanto por via aéreaou marítima o trecho a ser percorrido é pouco vulnerável, sejapor estar a quilômetros de altitude ou no meio do mar, em terraa situação é mais complicada.Numa estrada, por exemplo, qualquer parte pode ser utilizadacomo ponto para uma ação terrorista. Locais como túneis e pontessão os mais sensíveis. E não é necessário ser um especialistapara saber disso. Qualquer filme de ação ou guerra de Hollywoodretrata essa realidade.Para isso, a maior parte do efetivo de 3200 policiaiscolombianos que estavam em Cali foi deslocada para Pereira eManizales. A idéia dos responsáveis pela coordenação dasegurança é de manter o esquema adotado na primeira fase. "Nanossa avaliação, o trabalho da polícia local foi muito bom nostrês primeiros jogos da seleção", avaliou Lasserre. "Eles semostraram atenciosos o tempo todo e sempre acataram nossasugestões."PRECAUÇÃO - Embora exista um aeroporto em Manizales, a comissãotécnica da seleção brasileira optou por descer em Pereira.Segundo informou o delegado, a escolha foi feita pelosconstantes problemas de teto. A cidade está a 2100 metros dealtitude, numa região de clima frio e com muita neblina."Freqüentemente há atrasos de aviões porque o tempo não permiteo pouso", afirmou Lasserre. "Então, como eles desejam chegarao estádio uma hora e meia antes da partida por causa doproblema da altitude, houve o consenso de que seria melhorpousar em Pereira para não correr risco de atraso."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.