Seleção quer ganhar a "tríplice coroa"

A seleção brasileira quer garantir a tríplice coroa na decisão da Copa das Confederações, contra a Argentina, quarta-feira, na Alemanha. É o título que falta para o Brasil completar a trinca depois de levar o Mundial de 2002 e a Copa América de 2004. Carlos Alberto Parreira e os jogadores afastam o revanchismo diante dos argentinos e ressaltam que a final de Frankfurt entre duas seleções sul-americanas é uma dura lição ao futebol europeu.No domingo, logo após a vitória da Argentina nos pênaltis (6 a 5) contra o México - no tempo normal (0 a 0) e na prorrogação (1 a 1) -, Parreira falou sobre a grande final de quarta-feira. Ele deixava o Hotel Meridien, de Nuremberg, rumo ao aeroporto para embarcar para Frankfurt. E não poupou as seleções européias, em especial a Alemanha, anfitriã do torneio."Esta decisão entre Brasil e Argentina é uma prova perfeita de que talento e habilidade sempre prevalecem. São duas escolas sul-americanas decidindo uma competição na Europa, na casa deles. Foi a Argentina, poderia ter sido também o México, que é outra boa escola do lado de lá", disse Parreira. A final dos sonhos de Parreira era mesmo contra a Alemanha, mas os donos da casa mostraram fraqueza nas semifinais. "Os europeus estão jogando muito na correria, só isso. A Alemanha jogou assim contra nós e no final, a habilidade resolveu. Tira a correria deles e não sobra nada", explicou. Entre México e Argentina, o técnico do Brasil garantiu que não torceu nem para os argentinos, nem para os mexicanos. "Juro que não torci por uma seleção. De qualquer jeito não ia ser moleza contra nenhuma das duas", avisou.Contra a Argentina, o Brasil tem um trauma bem recente: a derrota em Buenos Aires, no começo do mês, pelas Eliminatórias da Copa. "De nossa parte não há nenhum revanchismo. Será um grande jogo, não tenho dúvida nenhuma. Ganhamos a Copa América contra eles e seria bom conquistar a Copa das Confederações para completar a tríplice coroa com o Mundial de 2002", revelou Parreira.Entre os jogadores, unanimidade nos elogios aos argentinos. Começou com Ronaldinho Gaúcho. "Estou feliz por duas seleções sul-americanas chegarem à final de uma competição internacional, ainda mais jogando na Europa. A motivação e a determinação estarão lá em cima. Contra a Argentina, tem de ser sempre dessa maneira", disse o meia-atacante do Barcelona.Kaká fala em jogo histórico em Frankfurt. "Brasil e Argentina decidindo um título é jogo para entrar para a história, como foi a final da Copa América (2004). Para eles vai ter o gosto de revanche", alertou o jogador do Milan.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.