Seleção: sem esperança para preteridos

Alguns dos jogadores que ficaram de fora das últimas convocações do técnico Carlos Alberto Parreira já começam a perder as esperanças de serem chamados para o grupo que irá à Copa do Mundo de 2006, na Alemanha. Esse é o caso do zagueiro Anderson Polga, que hoje atua no Sporting Lisboa. "A seleção está praticamente fechada. Essa é a realidade", afirmou o jogador, quase conformado em não mais poder concorrer para uma vaga no time."Sabemos que os jogos que disputarmos de agora em diante na Europa, seja nos campeonatos nacionais seja nas taças européias, serão nossas últimas chances de conquistar ainda um ligar na seleção. Pelo que vemos, o técnico (Parreira) já tem sua equipe quase montada em sua cabeça", disse o zagueiro, que está ganhando um lugar de destaque no time do Sporting.Polga não esconde sua decepção em estar de fora da equipe brasileira e já indica que uma nova fase deverá ser iniciada para todos os jogadores a partir de meados de 2006, quando a Copa do Mundo da Alemanha já estiver concluída. O jogador já fez parte da seleção durante a era de Luis Felipe Scolari. "O Parreira tem suas preferências", afirmou.O zagueiro não deixa de se queixar da relativa pouca atenção que a direção da seleção dá aos jogadores que atuam em Portugal em comparação aos demais campeonatos. "Acho que se compararmos a outros campeonatos nacionais, o português não é tão acompanhado como os demais", afirmou o jogador.Deivid, ex-jogador do Santos e que acaba de ter sua estréia também no Sporting, também aponta que a luta pelas últimas vagas na seleção será dura, mas tenta manter as esperanças de concorrer por um lugar no ataque da seleção. "O Brasil tem ótimos jogadores em todas as posições e principalmente no ataque. Mas vou continuar fazendo meu trabalho esperando ser reconhecido", afirmou o goleador.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.