Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Seleção Sub-17 mantém time contra Colômbia

Manter o padrão de jogo mostrado na vitória por 3 a 0 sobre os Estados Unidos, nas quartas-de-final, é tudo o que o técnico da Seleção Brasileira Sub-17, Marcos Paquetá, quer para esta quarta-feira, contra a Colômbia, às 11 horas (de Brasília), pelas semifinais do Mundial Sub-17 que está sendo disputado na Finlândia. Os brasileiros, invictos, esperam confirmar o favoritismo para continuar a luta pelo terceiro título (venceram em 1997 e 1999). Na outra semifinal, a Argentina enfrenta a Espanha.Paquetá gostou muito do desempenho dos meninos na vitória contra os norte-americanos. Elogiou bastante a atuação do time, que, segundo ele, atingiu a perfeição. Nesta quarta-feira, o técnico escalará a mesma equipe. A força da Seleção Sub-17 está concentrada no ataque, principalmente em Evandro Roncatto - vice-artilheiro do Mundial com quatro gols, ao lado de Adu, dos Estados Unidos, e Hidalgo, adversário desta quarta-feira.A campanha brasileira é excelente: em quatro partidas, venceu três e empatou uma. Marcou 12 gols e sofreu apenas um. O Brasil tem um bom retrospecto em fases semifinais. Participou de quatro, sendo eliminado em apenas uma, em 1985, pela Alemanha (derrota por 4 a 3).Nas outras três ocasiões, superou a Argentina em 1995 (3 a 0); a Alemanha em 1997 (4 a 0) e Gana, em 99, nos pênaltis. Além disso, tem se dado muito bem nos confrontos contra seleções sul-americanas. Nas quartas-de-final em 1995 e nas semifinais de 1997 bateu os rivais argentinos (3 a 0 e 2 a 0), e nas quartas-de-final em 1999 superou o Paraguai com tranqüilidade, 4 a 1.Muralha - Segundo a imprensa local, o time brasileiro tem mostrado o futebol mais bonito do Mundial. Eduardo Lara, técnico da Colômbia, deu uma ordem aos seus jogadores: fechar bem a defesa, para, eventualmente, tentar levar algum perigo nos contra-ataques. O treinador aposta muito nos atacantes Hidalgo e Otalvaro.Na outra semifinal, em Helsinque, a Argentina enfrenta a Espanha. O gramado do estádio Toolo é artificial. É a primeira vez que um jogo oficial da Fifa será disputado em gramado dessa espécie. A Espanha tenta chegar pela segunda vez à decisão da competição. A primeira foi em 1991, quando ficou em segundo lugar.Nesta quarta-feira, o treinador Juan Santisteban não terá dois jogadores: Adán e Silva. A Argentina aposta na boa defesa: não sofreu gol na competição.

Agencia Estado,

26 de agosto de 2003 | 20h29

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.