Seleção vive clima de indefinição

O clima na seleçãobrasileira é de indefinição após o técnico Carlos Alberto Parreiraadiantar que fará várias mudanças para a partida de quarta-feira,contra o Japão, que vale vaga na semifinal da Copa dasConfederações. Parreira já pensava em usar o jogo contra o Japão para fazertestes na equipe, mas ele torcia para que a partida fosse apenas um"amistoso de luxo". Mas com a derrota para o México no domingo, oBrasil ficou em situação complicada e agora precisa pelo menos de umempate para ir à semifinal. O técnico cogita fazer uma série de mudanças na equipe, entre elas, tirar três das principais estrelas da equipe: Ronaldinho Gaúcho, Kaká e Robinho. A primeira alteração é a entrada do goleiro Marcos no lugar deDida. Na defesa devem entrar o zagueiro Luisão (na vaga de Roque Jr) e o lateral-esquerdo Léo, este no lugar de Gilberto. No meio-campo, Emerson daria lugar a Gilberto Silva. Daí para a frente há várias especulações. O atacante RicardoOliveira, que pouco brilhou na seleção até aqui, poderia ocupar olugar de Robinho, cuja atuação contra o México foi decepcionante.Adriano deve ser mantido. No meio-campo, Ronaldinho e Kaká podem dar lugar a Júlio Baptista e Edu. No treino da seleção nesta segunda-feira no BayArena, emLeverkusen, os jogadores adotaram um discurso parecido para falarsobre as mudanças. "Quem está fora tem tanta qualidade quanto os outros. Entrar nãosignifica maior pressão, mas pensamos de forma positiva, que é umaboa chance, mesmo sabendo do que está em jogo para o Brasil", disseMarcos. Para Júlio Baptista, "a seleção pode contar com todos osjogadores convocados porque se estão aqui é porque mostraram suacategoria". Júlio, que no Sevilha joga como atacante, está disposto a seadaptar à posição que Parreira quiser. "Ele sabe que na Espanha jogomais adiantado e na seleção tenho jogado mais atrás, mas não temproblema. Quando há tantos jogadores bons é lógico que para fazer umconjunto é preciso se adaptar a outras posições", afirmou. Ricardo Oliveira disse que consegue se entender bem com Adriano eRobinho. "São dois jogadores com grande qualidade. Tive aoportunidade de jogar com os dois e não tive problema. Tem que havercolaboração e movimentação para aproveitarmos as chances queperdemos nas partidas anteriores", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.