Wilton Junior/Estadão
Wilton Junior/Estadão

Seleção volta para Sochi, mas deixará cidade de vez na quinta-feira

Brasil vai para Kazan enfrentar a Bélgica pelas quartas de final e depois seguirá para São Petersburgo ou para casa

Almir Leite, Ciro Campos, Leandro Silveira e Marcio Dolzan, enviados especias / Sochi, O Estado de S.Paulo

03 Julho 2018 | 05h00

A passagem da seleção brasileira por Sochi, seu "quartel-general" durante a Copa do Mundo, está com os dias contados. Após se classificar às quartas de final com a vitória por 2 a 0 sobre o México, na segunda-feira, a equipe ainda vai treinar por dois dias na sua base na Rússia, mas a deixará de vez na quinta, na véspera do seu próximo compromisso na competição, diante da Bélgica, na sexta, às 15h, em Kazan.

+ Brasil vira país com mais gols na história das Copas; Neymar é 4º maior goleador

+ 'O Brasil é o melhor time da competição', diz técnico da Bélgica antes de duelo

+ Gabriel Jesus amplia jejum, mas ganha elogio e se defende: 'Nunca fui artilheiro'

Após o triunfo sobre os mexicanos, a seleção retornou para Sochi e voltará a treinar por lá às 12 horas (de Brasília) desta terça-feira, em atividade de caráter meramente regenerativo e que pode, até mesmo, nem contar com todos os titulares em campo.

No dia seguinte, às 11 horas, o Brasil vai fazer o seu último treino em Sochi. E deverá ser uma atividade leve, pois a comissão técnica de Tite tem optado pela realização de trabalhos mais leves nas últimas semanas, mais preocupada com a recuperação física dos jogadores após trabalhos intensos durante a fase inicial de preparação para a Copa.

Para isso, também pesou as longas viagens para os compromissos. Como nenhum de seus jogos na fase de grupos foram em Sochi, a seleção precisou seguir por 404 quilômetros até Rostov, mais 1.923km para São Petersburgo e outros 1.362km até Moscou. Além disso, precisou seguir por 1.831km para o compromisso com o México em Samara. Tudo isso em voos fretados em aeronaves confortáveis, mas em trechos de ida e volta.

 

A quinta-feira, então, será de mais uma viagem para Kazan, de pouco mais de 2 mil quilômetros. E também de treino no local do confronto pelas quartas de final, a Arena Kazan, com a tradicional entrevista coletiva de Tite e do capitão escolhido por ele. No dia seguinte, então, às 15 horas, a equipe entrará em campo em busca de uma vaga nas semifinais da Copa do Mundo.

Se perder, a seleção estará liberada, com os jogadores que atuam no futebol europeu – a grande maioria dos convocados por Tite -, saindo em férias. Mas em caso de vitória, a seleção se tornará itinerante. Primeiro, então, seguirá para São Petersburgo, local da sua semifinal, em 10 de julho, às 15h.

Em caso de revés, a seleção continuará na cidade, pois lá é que será realizado a disputa do terceiro lugar, no dia 14. Mas o grande desejo de Tite e dos seus jogadores é mesmo de estar em Moscou no dia seguinte, em 15 de julho, quando o Luzhniki Stadium receberá a final da Copa do Mundo da Rússia, a partir das 12 horas.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.