Juan Mabromata/AFP
Juan Mabromata/AFP

Sem 3 atletas, Argentina treina em 'clima de funeral' e zagueiro pede fé em Deus

Sampaoli tenta animar movimentação que não contou com Mercado, Otamendi e Biglia

Estadão Conteúdo

23 Junho 2018 | 13h58

Apesar de renovada a esperança de classificação para as oitavas de final da Copa do Mundo pela vitória da Nigéria sobre a Islândia, por 2 a 0, na última sexta-feira, em Volgogrado, a seleção argentina treinou em "clima de funeral" neste sábado, em Bronnitsy, na Rússia. A equipe comandada por Jorge Sampaoli precisa ganhar na última rodada do Grupo D para passar de fase e, mesmo assim, o triunfo pode não ser o suficiente para manter o time de Messi no Mundial.

+ Miranda comenta situação da Argentina: 'Dá pena'

+ Campanha ruim da Argentina deixa nação divida antes de jogo decisivo

+ TV argentina faz minuto de silêncio por 'morte' da seleção

Os jogadores chegaram ao treinamento com cabeças baixas e caras fechadas. O primeiro a entrar no gramado foi Sampaoli, um dos maiores alvos de críticas por parte da torcida e da imprensa argentina, que o culpam por não conseguir organizar a seleção. O treinador esteve à frente da equipe nacional em 13 partidas até aqui e tem contrato até o fim da Copa do Mundo de 2022, no Catar, mas seus aliados dizem em anonimato que o técnico deve sair antes do fim do vínculo com a Associação de Futebol Argentino (AFA).

Titulares e reservas entraram no campo em seguida e caminharam lentamente até o treinador. O último foi Lionel Messi, que perdeu um pênalti contra a Islândia, no empate por 1 a 1 na estreia, e pouco fez contra a Croácia na derrota por 3 a 0, na última quinta-feira. Capitão da equipe, o jogador do Barcelona parece incomodado e abalado por motivos pessoais, como se estivesse sofrendo, durante aquele que deve ser o último Mundial dele, após três participações e um vice-campeonato.

"Vamos lá. Jogar e nos divertir, como sempre", gritou Sampaoli, em uma tentativa de animar seus comandados. O clima ficou um pouco mais leve depois que os atletas tiveram contato com bola, mas o semblante de seriedade não desapareceu do rosto deles. Lesionados, Gabriel Mercado, Nicolás Otamendi e Lucas Biglia não participaram da atividade.

 

O treino deu poucas pistas da equipe que vai começar como titular contra a Nigéria, seleção que precisa só de um empate para se classificar. Depois de falha grave no primeiro gol croata contra a Argentina, Wilfred Caballero pode perder lugar para Franco Armani. Enquanto isso, na linha, o único garantido é Messi.

"Nossa fé e nossa esperança não devem estar no ser humano, devem estar em Deus. Nós podemos falhar, mas Deus nunca falha. Continuamos confiando na Argentina", escreveu o defensor Cristian Ansaldi em sua conta na rede social Instagram, em publicação feita nesta sexta-feira. O zagueiro fez outros dois posts em seguida nos quais diz confiar na vontade divina.

Depois de empatar com a Islândia, no dia 16, no Spartak Stadium, em Moscou, e perder para a Croácia, na quinta-feira, em Nijni Novgorod, a Argentina vai enfrentar a Nigéria na próxima terça-feira, em São Petersburgo. Se ganhar o jogo, o triunfo tem de ser por dois gols de diferença a mais do que em caso de uma vitória da seleção islandesa, que no mesmo dia e horário vai encarar os croatas, em Rostov.

Se a Argentina vencer por um gol de diferença a mais do que a Islândia, o número de gols marcados será levado em consideração. Argentina 2 x 0 Nigéria e Islândia 2 x 1 Croácia é um cenário que leva a disputa da vaga para a análise de quem recebeu mais cartões amarelos e a persistência da igualdade nos critérios pode levar a definição da vaga para sorteio.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.