Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Sem a sombra de Valdivia, Mendieta busca afirmação no Palmeiras

Paraguaio tem a grande chance de mostrar serviço com a camisa alviverde

Daniel Batista, O Estado de S.Paulo

17 de maio de 2014 | 07h59

SÃO PAULO - Mendieta chegou ao Palmeiras em junho do ano passado após uma boa temporada pelo Libertad e foi um dos poucos casos em que o presidente Paulo Nobre investiu na contratação de um jogador. Foram R$ 5,3 milhões pagos ao clube paraguaio e, até o momento, o retorno esteve longe do esperado.

Agora, ele tem talvez a sua maior chance de se firmar com a camisa alviverde. Como Valdivia está com a seleção chilena para a disputa do Mundial e pode ser negociado, o paraguaio consegue ter uma sequência de jogos e mostrar se realmente valeu o investimento. Desde sua chegada, ele disputou 35 jogos e marcou sete gols. Uma lesão em outubro do ano passado o tirou dos gramados por cerca de três meses e o atrapalhou na adaptação ao futebol brasileiro.

O gol contra o Sampaio Corrêa, na última quarta-feira, serviu como um fator de extrema motivação para o paraguaio, que tem consciência de que ainda não rendeu o que pode. Para o jogador, a mudança de posicionamento em relação ao que fazia nos tempos do técnico Gilson Kleina pode ser benéfica.

"Com o Gilson, quando não jogava o Valdivia, eu jogava no lugar dele. Falei muito com o Alberto (Valentim, treinador interino) antes da partida e ele me deu liberdade para jogar onde me sinto mais cômodo", comemorou o jogador.

Embora deixe claro que não se sinta confortável em fazer a função de Valdivia, o paraguaio esbanja sinceridade e diz que não consegue preencher a vaga do chileno. "O Valdivia é o melhor jogador do Brasil e já tem uma história no Palmeiras. É difícil fazer o que ele faz, então tento ajudar de outro jeito."

GARECA E PROBLEMAS NO TIME

A procura por técnicos continua. Embora ainda negocie com o Racing, da Argentina, e saiba do interesse do Universidad do Chile, Ricardo Gareca, ex-técnico do Vélez Sarsfield, aceitou conversar com o Palmeiras e os representantes do clube voltaram da Argentina satisfeitos com o papo. Já acreditam que possam convencê-lo a trabalhar no Brasil. O próximo passo é os dirigentes se reunirem para decidir quem será o escolhido para ser o plano A. Dorival Júnior é bem cotado e Vanderlei Luxemburgo corre por fora. A intenção é até segunda-feira formalizar uma proposta ao eleito.

Em relação ao time para enfrentar o Vitória, Alberto tem vários problemas. Além de Prass, Bruno César e Valdivia, o interino não conta com Leandro, que está com a seleção brasileira sub-21, e não deve ter ainda o lateral-esquerdo William Matheus, que sofreu uma entorse no tornozelo direito. Wendel sente dores musculares.

Tudo o que sabemos sobre:
PalmeirasBrasileirãoFutebol

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.