Luis Tejido/EFE
Luis Tejido/EFE

Sem Aguero e Pastore, mas com Messi, Bauza começa trabalho na Argentina

Técnico contará com o atacante do Barcelona, mas fica sem atletas lesionados

O Estado de S.Paulo

29 Agosto 2016 | 12h37

Edgardo Bauza confirmou nesta segunda-feira os atletas que atuarão pela Argentina na partida contra o Uruguai, quinta-feira, e Venezuela, no dia 6 de setembro, pelas Eliminatórias da Copa da Rússia. O destaque é a presença do atacante Lionel Messi, que desistiu da aposentadoria na seleção depois de ter anunciado sua saída da equipe após a derrota na final da Copa América Centenário para o Chile. O ex-treinador do São Paulo assumiu o cargo com a missão de resgatar o camisa 10. 

Messi já havia sido anunciado na lista de Bauza, mas havia a possibilidade de ele ser cortado por contusão. Não será. O técnico terá duas importantes ausências na parte ofensiva. O atacante Sergio Aguero, do Manchester City, acusou lesão na panturrilha após partida contra o West Ham, domingo. O mesmo aconteceu com o meia Javier Pastore, do Paris Saint-Germain, que tem um desconforto na perna direita, e também ficará fora.

"Aguero apresenta um quadro de lesão muscular na parte interna da panturrilha esquerda. Por este motivo, não estará presente na rodada dupla das Eliminatórias para a Copa com a seleção Argentina", afirmou a AFA, em comunicado oficial.

A primeira partida de 'Patón' Bauza como treinador da seleção da Argentina será em casa, na cidade de Mendoza. Nela, contará com a presença de Messi, desmentindo os rumores de que o meia teria sofrido lesão - a imprensa espanhola revelou que ele passou por exames médicos após a partida deste domingo pelo Campeonato Espanhol. "Ele estará, sim, presente", afirmou membro da entidade à AFP.

Será o 'retorno' de Messi à seleção Argentina depois da fatídica derrota para o Chile na Copa América Centenário. Convencido pessoalmente por Bauza a prosseguir com a seleção, o jogador publicou carta retificando a decisão que tinha tomado ainda na saída da partida nos EUA.

"Passaram muitas coisas pela minha cabeça no dia da última final e pensei seriamente em deixar a seleção, mas amo demais o meu país e essa camisa."

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.