Franck Fife/AFP Photo
Franck Fife/AFP Photo

Sem alarde, Griezmann se destaca e leva a França às semifinais da Copa

Com o gol anotado contra os uruguaios, atacante chegou a três na Copa, igualando Mbappé

Glauco de Pierri, enviado especial/Nizhny Novgorod, O Estado de S.Paulo

07 Julho 2018 | 10h22

Quieto, sem muito alarde, o atacante francês Antoine Griezmann vai escrevendo o seu nome na campanha da seleção de seu país, que nesta sexta-feira venceu o Uruguai por 2 a 0 e avançou para as semifinais da Copa do Mundo da Rússia. Se até agora em solo russo ele não teve a mesma visibilidade de Kylian Mbappé, o jogador prova com números e ótimas atuações que é tão importante quanto o colega e vai ser fundamental na luta da equipe pelo segundo título mundial de futebol.

+ Edu Gaspar diz que 'não é fácil ser Neymar' e lamenta queda: 'Dor que sangra'

+ Alarme de incêndio acionado por engano dá susto em seleção da Suécia

+ Varane alerta seleção da França para Lukaku: 'Problema para qualquer defesa'

Com o gol anotado ontem contra os uruguaios, Griezmann chegou a três na Copa, igualando Mbappé. O atacante tem outro dado que impressiona. Na partida contra a seleção sul-americana, ele atingiu o 20.º jogo com a camisa da França - são 18 vitórias e dois empates de uma invencibilidade que, se continuar, pode dar o título da Copa do Mundo de 2018 para o país.

Eleito o melhor em campo na sexta, Griezmann afirmou que sua seleção está preparada para enfrentar defesas fechadas, como as do Uruguai, e mesmo assim conseguir sucesso. "Temos equipe para superar todas as defesas do mundo. Não acho que temos um estilo de jogo definido. Acho que podemos mudar nosso jogo de acordo com o estilo. Vemos o que se passa, se dá para pausar, parar, essas coisas. Dessa maneira, podemos tentar encaixar o nosso jogo, acelerar quando é necessário e tentar levar a partida do nosso jeito", disse.

 

Antes da Copa, o atacante ficou perto de trocar o Atlético de Madrid pelo Barcelona, mas no fim acabou aceitando aumento de salário e vai permanecer na equipe do técnico argentino Diego Simeone e do amigo e zagueiro uruguaio Diego Godín.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.