Augusto Oliveira/Rcortez/CSA
Augusto Oliveira/Rcortez/CSA

Sem Apodi, CSA visita Chapecoense e tenta adiar rebaixamento no Brasileirão

Técnico Jacozinho também não contará com Alan Costa e Euller

Redação, Estadão Conteúdo

04 de dezembro de 2019 | 07h34

Com o rebaixamento iminente, o CSA terá desfalques importantes para o duelo contra a Chapecoense nesta quarta-feira, às 21 horas, na Arena Condá, pela 37ª rodada do Campeonato Brasileiro. O técnico interino Jacozinho não poderá contar com o zagueiro Alan Costa, o meia Euller e o polivalente Apodi, que deixou o campo na derrota para o Bahia, por 2 a 1, com uma lesão na coxa.

Por outro lado, o treinador poderá contar com Jonatan Gómez, que cumpriu suspensão automática na última rodada. Ele formará o meio-campo com João Vitor, Nilton e Jean Cléber. Na defesa, Ronaldo Alves atuará ao lado de Luciano Castán, enquanto o ataque terá Bustamante e Ricardo Bueno.

Para permanecer na primeira divisão, o CSA terá de torcer por derrotas nos próximos dois jogos de Ceará e Cruzeiro, vencer suas partidas, além de tirar uma diferença de 26 gols de saldo em relação ao clube alvinegro, algo considerado improvável até mesmo para integrantes do elenco.

"Dói no meu coração porque eu sou grato por tudo o que o CSA fez na minha vida. Todas as vezes que precisarem de mim eu vou estar colocando a cara para bater. Sabemos da situação, mas vamos dar o melhor de nós nas duas últimas partidas. Precisamos honrar essa camisa e terminar com a cabeça erguida. Tenho certeza que os erros desse ano não acontecerão mais", falou Jacozinho.

O volante Jean Cléber também seguiu a linha do comandante. "Temos que pedir desculpas aos nossos torcedores e vamos pensar nesses dois últimos jogos para terminar da melhor forma possível", concluiu. O CSA está na 18ª colocação, com 32 pontos, contra 38 do Ceará, o primeiro clube fora da zona de rebaixamento.

Chapecoense tem desfalques

Com uma série de desfalques, a Chapecoense se desdobra para conseguir entrar em campo diante do CSA nesta quarta-feira, às 21 horas, na Arena Condá, pela penúltima rodada do Campeonato Brasileiro. O técnico Marquinhos Santos tem dez jogadores vetados pelo departamento médico. A lista é extensa e conta com o goleiro Vagner, os zagueiros Gum, Hiago e Rafael Pereira, o lateral Bruno Pacheco, o meia Renato e Yann Rolim, além dos atacantes Thiago Santos, Everaldo e Henrique Almeida.

O treinador ainda não sabe se poderá contar com o lateral Roberto, que passará por uma avaliação antes da bola rolar para saber se terá condições de jogo. Caso seja vetado, por dores na coxa, a tendência é que Caíque Sá seja improvisado no setor. Marquinhos Santos, no entanto, já foi obrigado a mexer na equipe, a exemplo de Amaral, que formará dupla defensiva com Maurício Ramos.

No meio de campo, Tharlis deverá formar o setor com Márcio Araújo, Elicarlos e Camilo. No ataque, Arthur Gomes e Dalberto serão as esperanças de gol da Chapecoense, que visa terminar o ano de cabeça erguida após o rebaixamento ser decretado.

"O Bruno Pacheco não joga, Henrique (Almeida), Everaldo. Roberto não deve ter condições também. Jogou com infiltração, analgésicos. Eles se dedicam muito, tem sido no limite. Tem que honrar esses caras. Infelizmente marcamos um rebaixamento na Chapecoense. Faltou pouco mais de qualidade, mas não faltou empenho, raça, hombridade", falou Marquinhos Santos, que completou.

"Faremos nossa última partida em casa e precisamos vencer para minimizar a dor de um rebaixamento. Temos que honrar a camisa da Chapecoense até a última partida. Precisamos seguir de cabeça erguida", finalizou.

A Chapecoense é a vice-lanterna do Brasileirão, com 28 pontos, dez a menos do que o Ceará, primeiro clube fora da zona de rebaixamento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.