Sem brilho, Holanda bate Japão e fica perto de vaga

Mesmo sem um futebol vistoso, a Holanda ficou muito perto da classificação às oitavas de final da Copa do Mundo da África do Sul ao derrotar o Japão por 1 a 0 neste sábado, em partida disputada no Estádio Moses Mabhida, na cidade de Durban e válida pela segunda rodada do Grupo E.

LEANDRO SILVEIRA, Agência Estado

19 Junho 2010 | 10h31

O triunfo deixou os holandeses com seis pontos, na liderança da chave. E agora a equipe torcerá por um empate no jogo entre Camarões e Dinamarca para obter a vaga ainda neste sábado. Já o Japão tem três pontos e segue com chances de avançar às oitavas de final.

As duas seleções encerram a participação no Grupo E da Copa do Mundo no dia 24 de junho. Na Cidade do Cabo, a Holanda buscará a terceira vitória em duelo contra Camarões. Já o Japão tentará se reabilitar diante da Dinamarca, na cidade de Rustembuego.

Apontada como uma das favoritas ao título da Copa do Mundo, a seleção holandesa ainda não apresentou o futebol esperado para uma equipe com um meio-de-campo que conta com Kuyt, Sneijder e Van der Vaart. Mesmo assim, a equipe conseguiu nova vitória em um triunfo semelhante ao 2 a 0 sobre a Dinamarca, quando também marcou um gol no início do segundo tempo graças a um erro dos adversários.

Com mais posse de bola, a Holanda abusou dos passes de lado e curtos na partida e não apresentou a objetividade necessária para superar a boa defesa japonesa, que já havia se destacado contra a seleção da Camarões ao não ser vazada na sua estreia na Copa do Mundo, mas sofreu com uma falha do goleiro Kawashima em chute de Sneijder.

O JOGO - A Holanda começou a partida com mais iniciativa, tentando pressionar o Japão, que se fechava na sua defesa. Porém, a estratégia holandesa, que quase sempre acionava Van der Vaart pela esquerda, não tinha muito efeito e a partida permaneceu sem lances perigosos e equilibrada.

Com mais de 70% da posse de bola, mas sem criatividade, a Holanda trocava passes na sua intermediária. Porém, não conseguia se aproximar do gol adversário diante da boa marcação do Japão e da dificuldade de impor mais velocidade ao jogo e realizar jogadas de linha de fundo.

Assim, como o Japão não conseguia superar a defesa holandesa, a partida era monótona e os goleiros Stekelenburg e Kawashima não tinham qualquer trabalho. No final da etapa inicial, a seleção japonesa passou a se arriscar mais e foi ao ataque, mas não criou boas oportunidades, já que o atacante Honda estava muito isolado.

As equipes voltaram para o segundo tempo com a mesma postura, com a falta de criatividade da Holanda, que apresentava mais volume de jogo, tinha mais iniciativa, concentrando as suas jogadas em Van der Vaart contra um adversário satisfeito com o empate.

Mesmo sem brilhantismo, a Holanda abriu o placar aos 8 minutos. Van Persie recebeu na grande área e ajeitou para Sneijder, que finalizou forte. O goleiro Kawashima perdeu o tempo da bola ao tentar fazer a defesa e a espalmou para dentro do gol. No confronto anterior entre as duas seleções, a Holanda venceu por 3 a 0, em setembro de 2009, e o meia da Inter de Milão também marcou um dos gols do triunfo sobre o Japão.

Em desvantagem, o Japão precisou ser mais ofensivo e passou a trocar mais passes no setor ofensivo, sem, porém, conseguir ameaçar o goleiro Stekelenburg. Assim, passou a dar mais espaço aos contra-ataques da Holanda, que não conseguiu se aproveitar da situação por errar passes em demasia. Para explorar essa opção, o técnico Bert van Marwijk promoveu a entrada de Elia.

Apesar da boa organização tática, o Japão não conseguia ameaçar a Holanda principalmente por conta da falta de qualidade dos seus jogadores de ataque. Assim, foram os holandeses que criaram uma boa chance de gol. Aos 38 minutos, Elia lançou Van Persie, que avançou e chutou em cima do goleiro Kawashima.

Em novo contra-ataque, a Holanda quase chegou ao segundo gol. Aos 43 minutos, Afellay foi lançado, penetrou pelo lado direito da área e chutou para boa defesa do goleiro japonês. Nos instantes finais, o Japão desperdiçou grande chance de empatar o jogo. Após lançamento longo, Tulio Tanaka desviou a bola de cabeça para Okazaki, que finalizou de primeira, mas por cima do gol.

FICHA TÉCNICA:

Holanda 1 x 0 Japão

Holanda - Stekelenburg; Van der Wiel, Heitinga, Mathijsen e Van Bronckhorst; De Jong, Van Bommel, Kuyt, Sneijder (Afellay) e Van der Vaart (Elia); Van Persie (Huntelaar). Técnico: Bert van Marwijk.

Japão - Kawashima; Nagatomo, Nakazawa, Tulio Tanaka e Komano; Abe, Hasebe (Okazaki), Matsui (Nakamura), Endo e Okubo (Tamada); Honda. Técnico: Takeshi Okada.

Gol - Sneijder, aos 8 minutos do segundo tempo.

Árbitro - Héctor Baldassi (Argentina).

Cartão amarelo - Van der Wiel (Holanda).

Local - Estádio Moses Mabhida, em Durban.

Mais conteúdo sobre:
Copa 2010futebolHolandaJapão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.