Amanda Perobelli / Reuters
Amanda Perobelli / Reuters

Sem Cano, Vasco mira desencantar em São Januário em duelo contra a queda

Gigante da Colina não vence desde de setembro em casa; ao todo são dois empates e quatro derrotas

Redação, Estadão Conteúdo

30 de novembro de 2020 | 09h14

O Vasco depende de suas próprias forças para deixar a temida zona de rebaixamento do Brasileirão, nesta segunda-feira, em São Januário. Basta vencer o confronto direto com o Ceará, décimo quinto colocado, dois pontos à frente, às 18 horas, para respirar aliviado. Mas, para isso, tem de quebrar o jejum de seis jogos sem triunfos em casa na competição e ainda superar a ausência do artilheiro Cano, com covid-19.

A última vez que o time cruzmaltino venceu como mandante no Brasileirão foi em 6 de setembro. Na ocasião fez 1 a 0 no Athletico-PR. De lá para cá, empatou duas vezes - com Bragantino e Fortaleza - e perdeu outras quatro - para Atlético-GO, Flamengo, Corinthians e Palmeiras.

O chamado "alçapão de São Januário" se voltou contra o Vasco sem a presença do torcedor. Na última partida no estádio, contra o Fortaleza, a equipe carioca mostrou enorme nervosismo. Foi pressionada pelo rival nos minutos finais e quase saiu derrotada. 

Ricardo Sá Pinto, também afastado pela covid-19, quer mais calma na hora da criação e conclusão das jogadas. O treinador acredita que o time está muito afobado na hora de concluir. Se a defesa melhorou, agora é hora do ataque mostrar força para as vitórias voltarem. Após três empates seguidos, ganhar significa subir para o 14º lugar. Mas jogar ofensivamente sem Cano será desafiador. O argentino fez os últimos quatro gols da equipe.

O artilheiro, dono de 20 dos 39 gols vascaínos na temporada, testou positivo para a covid-19 e aguarda o resultado de um segundo exame para entrar em quarentena de 10 dias. Será desfalque, ainda, diante de Defensa y Justicia e Grêmio. Ele deve voltar no clássico diante do Fluminense. Ribamar, recuperado do vírus, surge como candidato principal à vaga.

Em meio a tantos problemas, o Vasco pode contar com um tabu: o Ceará jamais venceu em São Januário em 23 visitas aos vascaínos. Sob a direção do auxiliar Alexandre Grasselli, a esperança é que, enfim, o time encontre o caminho das vitórias no Brasileirão.

Ainda sem o goleiro Fernando Miguel, mais um infectado pelo vírus, Lucão segue no time. O esquema com três zagueiros deve ser mantido, com a possibilidade de Benítez aparecer na criação.

Ceará vai a campo desfalcado

O técnico Guto Ferreira terá dificuldade para armar a equipe, já que conta com quatro desfalques. O zagueiro Tiago Pagnussat e o meia Fernando Sobral estão suspensos, enquanto o volante Willian Oliveira e o centroavante Felipe Vizeu estão no departamento médico em fase final de recuperação de lesões.

Por outro lado, o zagueiro Gabriel Lacerda e o atacante Bruno Mineiro voltam ao time. Os dois cumpriram período de isolamento após testarem positivo para covid-19 e já podem ser relacionados novamente. A tendência é que Cléber seja o escolhido para atuar de centroavante, enquanto Eduardo Brock e Klaus disputam a vaga para formar dupla de zaga com Luiz Otávio. Além disso, Léo Chú deve entrar na vaga de Fernando Sobral.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.