Lucas Figueiredo/CBF
Lucas Figueiredo/CBF

Sem Casemiro, Allan pode ser uma das novidades do Brasil nas Eliminatórias

Jogador do Everton, da Inglaterra, pode ganhar uma oportunidade nos jogos contra Venezuela e Uruguai

Redação, Estadão Conteúdo

10 de novembro de 2020 | 15h53

De volta à seleção brasileira após mais de um ano, o volante Allan, que atualmente defende o Everton, da Inglaterra, revelou nesta terça-feira que quer aproveitar a ausência de Casemiro, diagnosticado com o novo coronavírus em um teste recente feito pelo Real Madrid, para buscar uma vaga entre os titulares do técnico Tite para as partidas contra Venezuela e Uruguai, pelas Eliminatórias da Copa do Mundo de 2022.

"Sabemos que é uma disputa muito grande, o Brasil tem muitos jogadores de qualidade. Fazer uma lista com 23 nomes é muito difícil. É bom para o Tite porque tem um leque muito grande. Não sabemos quem vai jogar, quem vai ser titular ou não. Mas temos que estar preparados para fazer o que o técnico nos pede, ajudar o Brasil a fazer uma grande partida e sair com a vitória", disse o jogador de 29 anos, um dos entrevistados do dia na Granja Comary, em Teresópolis (RJ).

Convocado para o lugar de Fabinho, do Liverpool, cortado por lesão, Allan encara uma forte disputa por vaga no setor do meio de campo, que além dele conta com Douglas Luiz (Aston Villa), Bruno Guimarães (Lyon) e Arthur (Juventus).

O volante comentou ainda sobre a sua saída do Napoli em setembro deste ano rumo ao Everton. Antes da transferência, ele se envolveu em uma polêmica com Edoardo De Laurentis, filho do dono do clube italiano, e dias depois teve a casa assaltada.

"No Napoli eu estive em cinco anos, maior parte vitoriosa, com bons jogos e campanhas ótimas na Liga dos Campeões. Infelizmente aconteceram algumas coisas ruins, tanto para mim quanto para o clube. Coisas que acontecem em qualquer lugar, a gente fica triste, claro. Meu momento no Napoli tinha chegado ao ponto final, era o momento de mudar de ar, conhecer uma nova cultura, um novo clube. Espero fazer no Everton grandes coisas, como fiz no Napoli", comentou.

Esta foi a quinta convocação de Allan, que esteve no grupo campeão da Copa América no ano passado. Já são nove partidas com a seleção e nas próximas, se Tite precisar, o volante diz que pode jogar em outras posições, como na lateral direita.

"Não jogo de lateral-direito tem muito tempo, desde a Copa do Brasil de 2011 pelo Vasco. Venho mantendo minha posição no meio-campo, venho trabalhando ali tem muito tempo, conseguindo bons resultados. Mas onde o Tite precisar, estou disponível para ajudar", afirmou.

O Brasil entra em campo nesta sexta-feira contra a Venezuela, às 21h30, no estádio do Morumbi, em São Paulo, pela terceira rodada das Eliminatórias. Na próxima terça, às 20 horas (de Brasília), o desafio será contra o Uruguai, no estádio Centenário, em Montevidéu.

"Acho que não existe partida fácil ou um adversário mais fraco que o outro. A partida na hora é que determina se é fácil ou não, dependendo do rendimento dos jogadores. O Brasil fez isso nos últimos jogos. Temos que manter essa pegada, serão dois jogos muito complicados, contra adversários difíceis, mas tenho certeza que se mantivermos a pegada dos treinos e dos jogos, vamos sair com as vitórias", completou Allan.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.