Ricardo Moraes/Reuters
Ricardo Moraes/Reuters

Sem comparar torneios, jogadores comemoram título após fracasso na Rússia

Seleção campeã da Copa América tinha 14 remanescentes da campanha de 2018

Marcio Dolzan / RIO, O Estado de S.Paulo

08 de julho de 2019 | 04h30

A conquista da Copa América veio um ano após o Brasil fracassar na Copa do Mundo da Rússia e deixar a competição nas quartas de final. Mas, apesar do ambiente festivo no pós-jogo no Maracanã, os jogadores do Brasil que estiveram no Mundial do ano passado evitaram traçar paralelo entre as duas competições.

“O passado a gente não pode mudar. Muita gente acha que não foi justo (a eliminação nas quartas na Copa do Mundo). A gente fez um primeiro tempo contra a Bélgica abaixo, mas um segundo tempo em que poderíamos ter empatado ou até virado o jogo”, considerou Philippe Coutinho.

Para o meia do Barcelona, a conquista da Copa América precisa ser comemorada sem olhar para o que aconteceu antes. “A gente tem trabalhado dia a dia pra poder construir histórias novas. Hoje a gente sai muito feliz com a vitória, com sentimento de dever cumprido”, continuou.

O atacante William foi pelo mesmo caminho. “Na seleção brasileira a gente sempre vai ser cobrado. Hoje saímos com um título, mas, na próxima convocação, se a seleção não vencer vamos ser cobrados da mesma forma”, considerou. “Temos que aproveitar este momento. É importante, é uma competição que a gente fez por merecer.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.