JF Diorio/ Estadão
JF Diorio/ Estadão

Sem dificuldades, Palmeiras derrota Botafogo-PB e encaminha vaga nas quartas

Time estreia camisa azul em homenagem a Fernando Prass e o título da Copa do Brasil

Vitor Marques, O Estado de S.Paulo

31 de agosto de 2016 | 21h45

O Palmeiras confirmou seu favoritismo, ganhou do Botafogo-PB por 3 a 0 no Allianz Parque e encaminhou sua classificação às quartas de final da Copa do Brasil. O time de Cuca, que encontrou dificuldades na etapa inicial, resolveu o jogo no segundo tempo. Tão logo abriu o placar com Jean, de pênalti, a equipe espantou qualquer possibilidade de ‘zebra’ ou tropeço contra ‘nanicos’ – o rival da Paraíba disputa a Série C.

Cuca encarou a estreia, o primeiro jogo das oitavas de final, como uma ‘decisão’. Com a folga no Campeonato Brasileiro, ele acertou ao não poupar ninguém e escalar força máxima (as ausências eram Fernando Prass, machucado, e Gabriel Jesus, na seleção). Agora, a equipe pode até perder por 2 a 0 a partida de volta, dia 21 de setembro, que estará classificada para a próxima fase.

O tropeço do São Paulo na semana passada serviu de lição. Também contra um time da Série C, o rival tricolor foi surpreendido e perdeu no Morumbi por 2 a 1. Sem citar o adversário, Dudu havia dito, na véspera do jogo, que o Botafogo, merecia atenção. E a equipe da Paraíba, bem armada em campo, deu trabalho ao Palmeiras. No primeiro tempo, o time de Cuca foi pouco efetivo. Não encontrou espaços no meio de campo e não soube usar as laterais (era forte a marcação).

As poucas chances do Palmeiras surgiram em chutes de fora da área, em arremates de Rafael Marques e de Dudu. É muito pouco para um time que defende o título, estava com o que tinha de melhor e enfrentou um rival mais fraco. O Botafogo quase aproveitou um vacilo da defesa palmeirense e por pouco não fez 1 a 0.

Cuca percebeu que tinha de mexer no time no intervalo. Ele já havia feito uma alteração no primeiro tempo por motivo de contusão (Gabriel entrou no lugar de Moisés). Era necessário, contudo, uma alteração que mudasse o rumo do jogo.

A troca de Cleiton Xavier por Allione tinha esse propósito. Dar mais mobilidade e poder de fogo ao time. Deu certo. O Palmeiras se tornou mais objetivo e chegou ao gol aos 12 minutos em cobrança de pênalti. Rafael Marques foi derrubado na área, Jean bateu bem e colocou o Palmeiras na frente.

Foi o suficiente para o time deslanchar, perder gols e ampliar, aos 17, com Rafael Marques, que driblou o marcador já dentro da área e chutou rasteiro. O belo gol de Tchê Tchê, aos 35, fechou o placar em jogo que marcou a estreia do novo 3º uniforme. A camisa, com dois tons de azul, foi uma homenagem ao goleiro Fernando Prass e o título da Copa do Brasil no ano passado. Ele converteu o último pênalti contra o Santos.

FICHA TÉCNICA

PALMEIRAS 3X0 BOTAFOGO-PB

PALMEIRAS - Jailson; Jean, Mina, Vitor Hugo e Zé Roberto; Tchê Tchê, Moisés (Gabriel) e Cleiton Xavier (Allione); Erik (Vitinho), Dudu e Rafael Marques. Técnico: Cuca.

BOTAFOGO-PB - Michel Alves; João Paulo, Plínio, Marcelo Xavier e David Luis; Djavan, Pedro Castro (Sapé), Marcinho e Jefferson Recife (Danielzinho); Rodrigo Silva e Carlinhos (Assis). Técnico: Itamar Schulle. 

GOLS - Jean, aos 12, Rafael Marques, aos 18, Tchê Tchê, aos 35 do segundo tempo.

ÁRBITRO - Dewson F. Freitas da Silva (PA).

CARTÕES AMARELOS - Plínio e Allione.

RENDA - R$ 1.012.371,40.

PÚBLICO - 24.512 torcedores.

LOCAL - Allianz Parque.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.