Rodrigo Coca/Ag. Corinthians
Rodrigo Coca/Ag. Corinthians

Sem dinheiro, Corinthians, São Paulo e Santos buscam negociar jogadores para aliviar folha salarial

Com orçamento apertado, times paulistas tentam se livrar de atletas que fracassaram em 2020

Ricardo Magatti, especial para o Estadão

03 de março de 2021 | 10h00

Com o começo da temporada 2021, vários clubes estão se mexendo e fazendo mudanças em seus elencos, especialmente aqueles que fracassaram em 2020. Diante do insucesso da edição passada e com problemas financeiros, Corinthians, São Paulo e Santos devem reduzir seus plantéis com o objetivo de cortar gastos e reduzir a folha de pagamento mensal. Com a pior campanha entre os quatro times grandes de São Paulo e fora da Libertadores, o Corinthians é quem está promovendo a maior 'limpa' entre seus jogadores. A lista de dispensa também tem a ver com escolhas malsucedidas de atletas que, na maioria dos casos, têm alto salário e não dão retorno esportivo.

Luan, por exemplo, foi comprado por R$ 22 milhões do Grêmio. O meia-atacante, reserva na reta final da última temporada, frustrou a torcida e a diretoria com atuações ruins e pode deixar a equipe. Também existe a possibilidade de ser usado como moeda de troca. O salário alto é um entrave para liberar o jogador, muito criticado pela torcida e que chegou com a esperança de repetir o bom desempenho que o consagrou como o Rei da América em 2017. A diretoria tenta não perder o investimento e pede ao treinador "um pouco mais de paciência e insistência."

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
Decisões serão tomadas. Mas isso não se dará apenas no Corinthians. É importante que algumas coisas aconteçam, você oxigene seu elenco, seu clube
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313
Vagner Mancini, treinador do Corinthians

Antes do fim do Brasileirão, o técnico Vagner Mancini já havia avisado que o elenco seria "oxigenado". "Decisões serão tomadas (algumas já foram, como a saída de Boselli). Mas isso não se dará apenas no Corinthians. É importante que algumas coisas aconteçam, você oxigene seu elenco, seu clube, para que algumas coisas sejam melhores", afirmou o treinador corintiano.

A oxigenação já está em andamento, de modo que vários nomes dos 36 atletas do inchado elenco estão sendo avaliado e alguns já até saíram, caso de Matheus Davó, contratado no ano passado junto ao Guarani e que agora foi devolvido por empréstimo ao time campineiro para a disputa do Paulistão Sicredi 2021.

Outros que já acertaram sua saída do Parque São Jorge são o goleiro Walter e o atacante Jonathan Cafu. Sem espaço, os dois foram negociados com o Cuiabá, equipe mato-grossense recém-promovida à elite do futebol brasileiro. Walter estava no Corinthians desde 2013 e atuou pouco ao longo dos últimos anos por causa da idolatria de Cássio, titular absoluto mesmo em alguns momentos de instabilidade. Já Cafu deixa o clube após quatro meses e apenas três partidas disputadas. O zagueiro Marllon também pode entrar nesse pacote de negociações com o Cuiabá. 

A lista ainda tem mais nomes. Ramiro, Everaldo, este não foi inscrito sequer no Estadual, e até Jô podem fazer parte da barca corintiana que deixará o clube. Éderson está com acordo encaminhado para defender o Fortaleza e os atacantes André Luis e Madson, que retornaram de empréstimo recentemente, já foram avisados que não serão utilizados. Perderam no paredão e deixarão a casa.

O presidente Duílio Monteiro Alves e o diretor de futebol, Roberto de Andrade estão avaliando as mudanças e aguardam propostas. Em contrapartida, com o orçamento apertado, poucos reforços devem chegar e a ideia é usar o Campeonato Paulista para dar oportunidade aos jovens das categorias de base.

São Paulo

No São Paulo não deve haver uma reformulação, mas haverá mudanças. Brenner foi vendido antes mesmo do fim da temporada ao FC Cincinnati, dos Estados Unidos, que disputa a Major League Soccer, e o clube já anunciou a chegada do atacante Bruno Rodrigues, destaque na Ponte Preta. A diretoria recebeu propostas pelo volante Luan, mas ele quer continuar no Morumbi. Já o lateral espanhol Juanfran foi dispensado após não ter seu contrato renovado. 

A maior incógnita é Daniel Alves. O camisa 10 tem o maior salário do elenco são-paulino, o clube tem uma dívida enorme com ele referente aos direitos de imagem e precisa montar um arranjo financeiro para conseguir bancar os vencimentos do jogador. Ele reebe perto de R$ 1,2 milhão por mês. O diretor de futebol, Carlos Belmonte, reconheceu que não é fácil assegurar a permanência do capitão, mas elogiou sua postura profissional e disse que busca meios para mantê-lo no São Paulo.

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
Nós estamos buscando alternativas para que a gente consiga fazer com que o Daniel Alves permaneça no São Paulo
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313
Carlos Belmonte, diretor de futebol do São Paulo

"Do ponto de vista financeiro, o que eu posso te dizer é que não é fácil. Nós estamos buscando alternativas para que a gente consiga fazer com que o Daniel Alves permaneça no São Paulo. Há de se dizer que ele nunca fez nenhuma referência a não continuar no São Paulo, nem uma única vez. O salário dele não é fácil para um clube como o São Paulo. Vamos sim conversar com o Daniel Alves. Há, sim, um valor em aberto com o Daniel Alves, que ficou do ano passado, vamos negociar, mas sempre a nossa intenção é contar com o Daniel Alves”.

O técnico Hernán Crespo reforçou que “Daniel Alves é muito importante" e Muricy Ramalho, coordenador de futebol, também reiterou que a ideia é que o camisa 10 fique. “Claro que tem o acerto financeiro a ser feito com ele, mas ele é nosso líder, nosso capitão e o Crespo conta com ele. Tudo depende das conversas”, explicou o Muricy em entrevista à TV Gazeta.

Segundo o ex-treinador, a diretoria trabalha para trazer ao menos um reforço em todos os setores. “Acho que a gente precisa de reforços nas três áreas. Defesa, meio-campo e ataque. Um 10 que pensa o jogo, um atacante”, destacou o coordenador, que reconheceu que a maior dificuldade para contratar são os problemas financeiros.

“Não é difícil, mas a nossa parte financeira está ruim, muito complicada. A gente vai ter de ser muito criativo, mas ao mesmo tempo, não viemos aqui para ser mais um. Eu estava morando na praia, sossegado, e vim aqui para ganhar. A situação é difícil, mas vamos ter de investir. Não podemos errar nas contratações de jogadores”, pontuou o profissional, contratado na gestão de Julio Casares para “ajeitar a casa”.

Santos e Palmeiras

O elenco do Santos vice-campeão da Libertadores já não é mais o mesmo com a saída de jogadores importantes. Lucas Veríssimo foi negociado com o Benfica e Diego Pituca, com o Kashima Antlers, do Japão. Além disso, o argentino Ariel Holan foi contratado para substituir Cuca no comando da equipe alvinegra. Dos principais atletas, quem tem mais chance de sair é o venezuelano Soteldo. 

A diretoria chegou a aceitar uma proposta de cerca de R$ 40 milhões do Al Hilal, da Arábia Saudita, pelo meia-atacante em outubro do ano passado. No entanto, o baixinho decidiu ficar para ganhar a Libertadores. O título não veio, e o Santos, precisando reforçar o caixa e com débito com o Huachipato, do Chile, não deve facilitar sua saída. A ideia do jogador é se transferir para a Europa.

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
Eu vejo que é difícil continuar no Santos porque ainda há uma dívida pelo passe para o Huachipato e, como é difícil de pagar, procuram outra equipe para saldar essa dívida
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313
Soteldo, atleta do Santos

"Eu vejo que é difícil continuar no Santos porque ainda há uma dívida pelo passe para o Huachipato e, como é difícil de pagar, procuram outra equipe para saldar essa dívida. O meu sonho é saltar para uma equipe importante na Europa e tenho a certeza que este ano isso vai acontecer", revelou Soteldo em entrevista para o site El Estímulo, de seu país natal.

Dos quatro principais clubes de São Paulo, o Palmeiras é quem menos vai movimentar seu elenco. Campeão paulista, da Libertadores e com possibilidade de encerrar a temporada com três títulos se vencer a Copa do Brasil, o time alviverde trabalha para manter os jovens que se destacaram nesta temporada, como Gabriel Menino, Patrick de Paula e Danilo, e buscará, a pedido de Abel Ferreira, reforços pontuais. Um lateral-direito, um meia e um atacante finalizador são as prioridades. 

Por enquanto, o único que está de malas prontas é Emerson Santos. Na próxima semana, após a final da Copa do Brasil, o zagueiro deve ser anunciado como reforço do Kashiwa Reysol, do Japão. Segundo o jornal O Dia, a proposta é de aproximadamente R$ 9 milhões por 70% dos direitos econômicos do defensor de 25 anos. O clube alviverde é dono de 100% dos direitos do atleta.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.