Sem dinheiro, Estrela Vermelha perde sua diretoria

Em grave crise financeira, o Estrela Vermelha viu sua diretoria anunciar uma renúncia coletiva nesta terça-feira. O clube sérvio, um dos mais tradicionais do Leste Europeu e vencedor da então Copa dos Campeões e o Mundial Interclubes, em 1991, tem dívidas estimadas em 23 milhões de euros (R$ 66 milhões), e chegou a ficar sem telefone e abastecimento de água, em março, por falta de pagamento. Vários jogadores reclamam de atraso nos salários.

AE, Agencia Estado

28 de abril de 2009 | 11h51

Na semana passada, o presidente Dobrivoje Tanasijevic já havia renunciado ao cargo, provocando protestos de torcedores em frente à sede do clube nesta segunda-feira. "A diretoria resolveu renunciar e um comitê interino, com três dirigentes, vai cuidar do clube até 8 de junho, quando haverá novas eleições", anunciou o clube nesta terça, em seu site oficial.

Os novos dirigentes prometeram acertar os salários dos jogadores em breve. "O clube deve, já deveu antes, mas nunca falhou em quitar seus débitos, o que significa que o elenco receberá seu pagamento num futuro próximo", anunciou a nova direção.

A crise refletiu em campo: a cinco rodadas do fim da temporada, o time em terceiro no Campeonato Sérvio, com 20 pontos de desvantagem para o rival Partizan Belgrado, campeão por antecipação. "O Estrela Vermelha me deve uma pilha de dinheiro, faz tempo que não recebo nada", reclamou o ala Ognjen Koroman, da seleção sérvia.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolSérviaEstrela Vermelha

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.