Alberto Estévez/EFE
Alberto Estévez/EFE

Sem encantar, França e Argentina duelam pela 1ª vaga nas quartas

Favoritas, seleções, que se enfrentam neste sábado, às 11h, em Kazan, quer confirmar poder de fogo

Ciro Campos, enviado especial / Kazan, O Estado de S.Paulo

30 Junho 2018 | 00h00

Os confrontos eliminatórios da Copa do Mundo da Rússia começam neste sábado com o encontro de duas seleções que chegaram a esta etapa sem encantar. Em Kazan, às 11 horas (de Brasília), a França tenta sair do rótulo de promessa e fazer vingar o jovem elenco contra a Argentina, classificada para a etapa depois de uma primeira fase irregular, com derrota por 3 a 0 para a Croácia e classificação sofrida contra a Nigéria.

+ Sampaoli revela que Argentina não treinou pênaltis para jogo com a França

+ Volante Banega diz que primeira fase complicada fortaleceu a Argentina

+ Capitão da França afirma que time tem recebido críticas injustas pelas atuações

+ Técnico da França diz temer inexperiência do seu time para jogo com a Argentina

Franceses e argentinos tentam reerguer também seus principais jogadores nesta fase eliminatória. Os europeus viram Griezmann marcar uma vez e, de pênalti, nesta Copa. O atacante acabou substituído nos três jogos. Messi também só fez um gol e contra a Islândia ainda desperdiçou um pênalti. As atuações de ambos estão bem abaixo do potencial da dupla, que em 2016 foi finalista da premiação da Fifa que elegeu o melhor jogador do mundo.

"O começo de Griezmann foi um pouco difícil. Ele jogou 65 minutos contra a Dinamarca e foi bom para ele ganhar ritmo. O time necessita dele no máximo nível. Acho que agora ele vai evoluir", explicou o técnico Didier Deschamps. O temor dele é o jovem time francês, com média de idade de 26 anos e 14 estreantes em Copas, sentir o peso do jogo decisivo contra uma Argentina experiente.

A França ganhou na fase de grupos de Austrália e Peru sem encantar, com placares magros. Depois, defendeu o empate sem gols com a Dinamarca apenas para ser primeira colocada do grupo e continuou sem convencer a torcida e a imprensa local. "O objetivo foi atingido e ficamos em primeiro do grupo. Claro que podíamos ter feito melhor. Mas há espaço para melhorar, temos ambição e queremos continuar", disse o goleiro e capitão Hugo Lloris.

 

Messi completou 31 anos nesta semana e, em sua quarta Copa do Mundo, carrega ainda mais a responsabilidade da equipe. A faixa de capitão não basta, ele é quase um segundo técnico para quem o treinador Jorge Sampaoli pede sugestões de mudanças. Uma possível alteração para o jogo é a presença do camisa 10 como atacante centralizado e a saída de Higuaín do time.

"Lionel tem tanta qualidade para ver o futebol que consegue ver coisas que só um gênio nota. Tem muita qualidade e inteligência. Leva-se um tempo para entender o que ele pensa", afirmou Sampaoli. O jogador multicampeão pelo Barcelona mantém o suspense se continuará em ação pela Argentina depois da Copa. Em 2016 ele anunciou o adeus, mas voltou atrás.

Os adversários têm propostas diferentes ao analisar o jogo. A França prefere não colocar toda a responsabilidade em Griezmann e lembrar do papel de outros astros como Pogba, Giroud e Mbappé. A Argentina é o contrário. A dependência dele é completa. "Temos um grande líder em campo, não só na parte técnica. Em todas as horas Messi só pensa em ganhar", afirmou Banega.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.