JF Diorio/Estadão
JF Diorio/Estadão

Sem Henrique, Kleina tenta arrumar a zaga

Com seu capitão suspenso, técnico admite preocupação com o setor e para a partida contra o Figueirense

DANIEL BATISTA, O Estado de S. Paulo

14 de julho de 2013 | 07h00

SÃO PAULO - Com uma certa dose de incoerência, o setor que mais preocupa Gilson Kleina neste momento é a defesa. O fato que chama a atenção é que o time alviverde é o menos vazado da Série B, com apenas quatro gols sofridos em oito jogos, mas isso ainda não é o suficiente para o treinador. A explicação de tanta preocupação é o fato de o time demonstrar claro avanço técnico e tático do meio para frente, mas não se vê o mesmo na defesa.

Diante do ABC, diversas vezes, Henrique e André Luiz bateram cabeça e contaram com a sorte e com a má pontaria dos atacantes rivais para não deixarem o Pacaembu como vilões. Apenas uma vez a distração da dupla ocasionou um gol, marcado por Gilcimar.

“Conversamos que nós não podíamos ter levado aquele gol. É necessário ter atenção durante todo o jogo”, cobrou o treinador, deixando claro que sua preocupação defensiva não se limita apenas a uma cobrança em cima dos zagueiros.

E para enfrentar o Figueirense, Kleina não poderá contar com seu capitão Henrique. Ele recebeu o terceiro cartão amarelo e em seu lugar, a tendência é que Vilson, recuperado de uma artroscopia no joelho direito, volte ao time. Outro que pode ser desfalque é o atacante Leandro. Ele saiu do jogo contra o ABC reclamando de dores na coxa direita e pode ser vetado. Ronny ou Caio podem entrar.

Apesar das cobranças, Kleina sabe que as duas vitórias e de goleada – 4 a 0 no Oeste e 4 a 1 no ABC – serviram para dar maior confiança ao elenco, aos torcedores e, principalmente, paz para trabalhar.

De cabeça fria, o treinador quer aproveitar a semana livre para trabalhar a concentração do elenco. “O que fica é que nosso início não foi bom, foi indolente, aceitamos a marcação. Fica um alerta. Figueirense ganhou, será um jogo de seis pontos, na casa deles. Temos de fazer de tudo para permanecer na frente. Que a equipe possa trabalhar bem e chegar com muito foco no Orlando Scarpelli”, afirmou Kleina.

NEGOCIAÇÕES

E a semana deve ser importante também para definir algumas “novelas”. A situação mais indefinida parece de Maikon Leite. A Ponte Preta tem interesse no jogador, assim como a Portuguesa, que gostaria de envolvê-lo na negociação que levaria Luis Ricardo para o Palmeiras. E por falar no lateral lusitano, a tendência é que Weldinho e mais um atleta seja emprestado, além de um valor a combinar em troca do lateral, que já manifestou o interesse em jogar pelo Alviverde.

Tudo o que sabemos sobre:
PalmeirasSérie Bfutebol

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.