Patricio Realpe/AP
Patricio Realpe/AP

Sem jogar bem, Brasil fica no 1 a 1 contra o Equador

Goleiro Júlio César se destaca e evita derrota brasileira em Quito em jogo das Eliminatórias

Rafael Vergueiro, estadao.com.br

29 de março de 2009 | 19h56

Em um dia de pouca inspiração, a seleção brasileira se salvou neste domingo de uma derrota contra o Equador em Quito, em partida válida pela 11.ª rodada das Eliminatórias sul-americanas à Copa do Mundo de 2010. Apesar de ter saído na frente, o 1 a 1 foi lucro para o Brasil e o goleiro Júlio César foi o melhor em campo.

Veja também:

link'Tivemos o gostinho da vitória', afirma o técnico Dunga

link'Fomos superiores ao Brasil', diz técnico do Equador

linkJogadores se dividem sobre atuação da seleção brasileira

linkVetado contra o Equador, Kaká treina em Porto Alegre

mais imagens Veja mais imagens da partida Equador x Brasil

som Ouça os gols da partida no Território Eldorado

especialVisite o canal especial das Eliminatórias da Copa

tabela Eliminatórias da Copa - Classificação

lista Eliminatórias da Copa - Calendário / Resultados

especial Dê seu palpite no Bolão Vip do Limão

Com o resultado no Estádio Olímpico Atahualpa, o time de Dunga termina a rodada na quarta colocação na tabela, com 18 pontos, atrás do líder Paraguai (23), da segunda colocada Argentina (19) e do terceiro Chile (19), que também neste domingo superou fora de casa o Peru por 3 a 1. 

O Brasil, no entanto, ainda está na zona de classificação para o Mundial, enquanto o Equador, em sétimo lugar e com 13 pontos, está em situação mais complicada (os quatro primeiros vão direto para a Copa e o quinto disputa uma repescagem).

No confronto deste domingo, Júlio César certamente teve uma de suas melhores atuações com a camisa amarela. Ele mais uma vez mostrou estar em grande fase e justificou porque é considerado atualmente um dos melhores goleiros do mundo atualmente.

Com defesas espetaculares tanto no primeiro como no segundo tempo, ele evitou o gol dos mandantes e evitou o segundo resultado negativo do Brasil em 11 confrontos na competição - no ano passado, o Paraguai ganhou da seleção em Assunção.

Nas últimas duas Eliminatórias, para os Mundiais de 2002 e 2006, a seleção brasileira havia sido superada pelo Equador por 1 a 0 em Quito. Por isso, o empate não foi considerado um resultado ruim pelos brasileiros ao término da partida.

Os gols do jogo deste domingo saíram apenas no segundo tempo. Após levar sufoco do Equador, o técnico Dunga sacou Ronaldinho Gaúcho do time e colocou Júlio Baptista em campo.

A alteração deu resultado imediatamente e, aos 27 minutos, o meia recebeu belo passe de Robinho, invadiu a área e chutou forte. Para a sorte brasileira, a bola bateu na trave, nas costas do goleiro Cevallos e balançou as redes.

Em vantagem no marcador, o Brasil demonstrou cansaço com a altitude e ficou na defesa para tentar segurar o magro triunfo. Tudo ia bem até os 44 minutos, quando finalmente Júlio César foi vencido.

Equador1
Cevallos; Reasco, Espinoza, Iván Hurtado, Ayovi    ; Guerrón (Noboa), Castillo, Méndez e Valencia; Benítez e Caicedo (Palacios)
Técnico: Sixto Vizuete
Brasil1
Júlio César; Maicon (Daniel Alves    ), Lúcio, Luisão e Marcelo    ; Felipe Melo, Gilberto Silva    , Elano     (Josué) e Ronaldinho Gaúcho (Júlio Baptista); Robinho e Luís Fabiano
Técnico: Dunga

Gols: Júlio Baptista, aos 27, e Noboa, aos 44 minutos do segundo tempo

Árbitro: Carlos Chandía (CHI)

Estádio: Olímpico Atahualpa, em Quito (EQU)

Após bela jogada de Méndez pela direita, o equatoriano cruzou rasteiro para a área. Benítez desviou e Júlio César fez defesa espetacular, mas, no rebote, Noboa ficou livre e não teve trabalho para estufar as redes e igualar o marcador.

Agora, o Brasil volta a campo pelas Eliminatórias na próxima quarta-feira, quando recebe o Peru no Beira-Rio, em porto Alegre, a partir das 22h10. No mesmo dia, mas às 18h20, o Equador pega o líder Paraguai em casa.

KAKÁ FAZ FALTA

A seleção brasileira certamente sentiu neste domingo a ausência de Kaká, que se recupera de lesão e deve estar em campo na próxima quarta contra o Peru. Ronaldinho Gaúcho o substituiu e mais uma vez se mostrou apagado em campo.

A surpresa de Dunga na escalação foi colocar Felipe Melo entre os titulares, como volante ao lado de Gilberto Silva. Os dois tiveram atuação apagada, assim como toda a seleção, com exceção de Júlio César e Júlio Baptista.

A defesa, formada por Luisão e Lúcio, falhou demais e o Brasil só não levou mais gols devido ao dia inspiradíssimo do goleiro e também porque o Equador falhou demais na pontaria. Benítez e Guerrón foram os que mais desperdiçaram oportunidades.

(Atualizado às 22h07)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.