Divulgação/Vipcomm
Divulgação/Vipcomm

Sem Kléber, Adilson promete Cruzeiro ofensivo no Chile

Técnico afirma que buscará a vitória diante do Colo Colo para garantir a classificação para as oitavas de final

AE, Agência Estado

13 de abril de 2010 | 16h17

Apesar de não poder contar com o atacante Kléber na partida da próxima quinta-feira, contra o Colo Colo, em Santiago, pela Copa Libertadores da América, o técnico Adilson Batista assegurou que a sua equipe terá um postura ofensiva para ganhar os três pontos e, consequentemente, ficar na liderança do Grupo 7 da competição continental.

Antes de embarcar para a capital chilena, o treinador ressaltou que Wellington Paulista tem plenas condições de suprir a ausência de Kléber, que está com uma lesão na coxa direita. "É uma ausência importante, todos sabem do potencial do Kléber, mas o Wellington também sabe fazer gol, cumpre bem uma função. A gente vai para Santiago com um time forte, competitivo, com o intuito de vencer o jogo", garantiu o treinador.

O Cruzeiro divide a liderança do Grupo 7 com o Vélez Sarsfield, com dez pontos, e está em vantagem no saldo de gols. Com isso, uma vitória sobre os chilenos já deixaria o time mineiro muito perto da classificação às oitavas de final, pois a equipe argentina teria de reverter, assim, cinco gols de saldo contra o Deportivo Itália, na Argentina, no outro jogo que fechará a chave.

Já o Colo Colo, terceiro colocado do grupo, com sete pontos, precisa golear o Cruzeiro por quatro gols de diferença para ultrapassar a equipe mineira. O fato, porém, não ilude Adilson Batista, que espera uma partida complicada.

"Independentemente de eles precisarem de uma goleada, o Colo Colo tem jogado bem. Eu vi os jogos, é um time organizado, tem bons jogadores, um sistema definido. É uma escola que sai, que toca bem a bola. Teve dificuldades recentemente contra Sport e Palmeiras (em 2009, pela Libertadores), mas é uma escola boa de se ver jogar futebol. Acho que vai ser um jogo gostoso de participar", ressaltou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.