Geoff Burke/USA Today
Geoff Burke/USA Today

Sem maior brilho em 2016, Bellucci e Teliana encerram temporada

Teliana Pereira perdeu até a condição de melhor tenista do País na reta final desta temporada

Estadão Conteúdo

28 Outubro 2016 | 15h57

Sem maior brilho em 2016, os tenistas Thomaz Bellucci e Teliana Pereira decidiram encerrar a temporada nesta semana. Os dois brasileiros abdicaram dos últimos torneios do ano para anteciparem a preparação para a temporada 2017, que começa logo na primeira semana do novo ano.

Número 1 do Brasil e 58º do mundo, Bellucci foi quem teve mais motivos para comemorar em 2016. Foi vice-campeão do ATP 250 de Quito e faturou o título do Challenger de Brauschweig, na Alemanha. Brilhou ainda em casa, ao chegar às quartas de final na Olimpíada do Rio de Janeiro.

"Termino o ano com a certeza que me dediquei 100% desde o primeiro torneio do ano até o último, mesmo não conseguindo alcançar tudo que havia planejado para esse ano. É mais um ano que consigo me manter entre os top 100 e jogando os maiores torneios no mundo. Minha participação na Olimpíada foi indescritível", comenta o brasileiro.

Bellucci encerra a temporada antes de tentar entrar na chave principal do Masters 1000 de Paris, que será disputado na próxima semana. Ele alegou dores nas costas para antecipar o fim da temporada. "Há uns três dias venho sentindo dores nas costas. Fizemos um exame e foi diagnosticado uma lesão nas costas, me impossibilitando de jogar esta semana", diz o brasileiro, sem dar detalhes sobre o problema físico.

Mesmo sem brilhar no ano, Bellucci faz avaliação positiva da temporada 2016. "Saio dessa temporada fortalecido e motivado em conquistar coisas maiores no ano que vem", afirma o tenista, que chegou a ter o posto de número 1 do Brasil ameaçado por Thiago Monteiro há algumas semanas.

Já Teliana Pereira perdeu a condição de melhor tenista do País nesta reta final da temporada. Foi superada por Paula Gonçalves, após emplacar uma sequência negativa de oito derrotas consecutivas no circuito da WTA. Ao todo, Teliana acumulou 23 revezes e apenas cinco vitórias no circuito profissional.

"Todo mundo acaba olhando só os resultados. Mas eu joguei os maiores torneios do mundo, contra as maiores tenistas. Claro que os resultados não chegaram nem perto do que eu gostaria, mas tudo foi um aprendizado e isso me ajudará lá na frente", avalia a atual 201ª colocada do ranking - Paula ocupa o 163º posto.

Para Teliana, seu melhor momento aconteceu na Olimpíada do Rio de Janeiro, apesar da queda na estreia na chave de simples. "Joguei as Olimpíadas no meu País. Foi o ponto máximo da temporada. Ter enfrentado a Serena em Roland Garros, naquela quadra, também foi inesquecível. Acho que nem nos meus maiores sonhos eu poderia imaginar", aponta.

Para a temporada 2017, sua maior meta é voltar ao Top 100. "É o meu grande objetivo para 2017 e também jogar motivada e feliz em quadra. Vamos analisar, baseado no que aprendi, todos os aspectos que eu tenho que melhorar e eu sei que são muitos - vou trabalhar muito duro nas semanas que estão por vir", diz a brasileira.

Após tirar férias e iniciar a pré-temporada, Teliana vai começar a temporada 2017 no Torneio de Hobart, na Austrália. Em seguida, tentará entrar na chave principal do Aberto da Austrália, o primeiro Grand Slam do ano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.