Sérgio Pérez / Reuters
Sérgio Pérez / Reuters

Sem marcar há 18 jogos, Pratto perde espaço no River Plate e empresário reclama

"Acho que tenho autoridade para dizer que a situação atual de Pratto não serve para nenhum dos lados", disse Gustavo Goñi

Redação, Estadão Conteúdo

11 de maio de 2020 | 12h59

O empresário de Lucas Pratto, Gustavo Goñi, voltou a manifestar seu descontentamento com o River Plate, por ver seu atleta no banco de reservas do treinador Marcelo Gallardo. De acordo com Goñi, a situação em que o jogador se encontra não serve para nenhuma das partes.

"Sempre cuido do que digo. Depois de tantos anos, acho que tenho autoridade para dizer que a situação atual de Pratto não serve para nenhum dos lados", disse o agente, em entrevista à Rádio La Red.

Pratto, que defendeu o São Paulo e o Atlético-MG, entre outros, não balançou as redes nesta temporada. Foram 18 partidas disputadas e apenas duas assistências. Todas as competições sul-americanas foram suspensas por conta da pandemia do novo coronavírus.

Goñi ressaltou que o atacante argentino já está na história do River Plate por conta da final da Copa Libertadores de 2018, diante do rival Boca Juniors, em Madri, na Espanha. "A final de Madri (da Libertadores) deu a Lucas a chance de entrar na grande história do clube", afirmou.

O vínculo de Pratto com o River se estende até junho de 2022. O atacante chegou ao clube em 2018 vindo do São Paulo. Os argentinos ainda devem cerca de 2 milhões de euros (cerca de R$ 12,6 milhões) para a equipe brasileira por conta da contratação.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.