Lucas Merçon/Fluminense
Lucas Merçon/Fluminense

Sem marcar há um mês, Fluminense tem muros pichados e mira recuperação na quinta

Em crise e com salários atrasados, tricolor carioca fez seu último gol nas semifinais da Copa Sul-Americana, diante do Nacional, do Uruguai

Estadão Conteúdo

20 de novembro de 2018 | 09h14

O Fluminense vive um novembro para esquecer. Não bastasse a derrota na ida da semifinal da Copa Sul-Americana para o Atlético-PR, que complicou sua situação no torneio, o time carioca não vence uma partida do Campeonato Brasileiro há um mês, período no qual sequer marcou um gol. O último tropeço foi o empate por 0 a 0 com o Ceará, segunda-feira, em casa.

"É falta de inspiração, de um pouco mais de felicidade, de arriscar as jogadas. A cobrança é de que rondamos muito a área do adversário, mas com pouco poder de finalização. Foi assim nos outros jogos, foram poucas as finalizações e, no futebol, o que vale é o gol. Esse tem sido o nosso problema", analisou o técnico Marcelo Oliveira.

O último gol marcado pelo Fluminense foi na heroica classificação para as semifinais da Sul-Americana, no triunfo por 1 a 0 sobre o Nacional no Uruguai, ainda em outubro. No Brasileirão, o jejum é maior. Desde o triunfo pelo mesmo placar sobre o Atlético-MG, em 21 de outubro, o time carioca não balança a rede. De lá para cá, foram cinco jogos, com três empates e duas derrotas, sete gols sofridos e nenhum marcado.

Diante deste cenário, parte da torcida extrapolou e manifestou sua insatisfação através de vandalismo. Já nas primeiras horas desta terça-feira, os muros da sede do Fluminense, nas Laranjeiras, estavam pichados. O principal alvo da ira era a diretoria. "Abad c...", "renuncia, caloteiro" e "paguem os salários" foram algumas das inscrições vistas.

O péssimo momento também se traduz na tabela, em que o Fluminense aparece ainda correndo risco de rebaixamento. Em 13.º, a equipe tem 42 pontos, cinco à frente do América-MG, que abre a zona da degola. Para acabar com a má fase e espantar o risco de queda, apenas uma vitória na quinta-feira, diante do Bahia, em confronto direto que acontecerá em Salvador.

"Um clube do tamanho do Fluminense, com uma camisa pesada, sempre gera uma pressão maior, mas é importante passar tranquilidade e confiança aos jogadores, e cobrança também no sentido de repetir sempre esse comprometimento, esse esforço, essa entrega, mas com mais poder de fogo, de finalização", comentou Marcelo.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.