Sem medo da concorrência, Oscar espera repetir sucesso nesta temporada

Chegada de reforços para o meio-campo do Chelsea não assustam o meia brasileiro

GUILHERME DORINI, O Estado de S. Paulo

17 de agosto de 2013 | 18h00

SÃO PAULO - O começo de Oscar no Chelsea foi arrasador. Gols e atuações decisivas no Campeonato Inglês e na Copa dos Campeões. É assim que o meia espera começar a temporada que se inicia neste domingo, contra o Hull City, pelo torneio nacional.

Apesar da troca no comando da equipe e a chegada de vários jogadores para sua posição, Oscar não teme ir para o banco de reservas e acredita que sua titularidade não está ameaçada. Ele reconhece a qualidade dos companheiros e diz que quem estiver melhor, deve jogar.

Em entrevista exclusiva ao Estado, o brasileiro fala sobre a expectativa para o clube na temporada e sobre o estilo de jogo no futebol inglês.

Titular de Felipão na Copa das Confederações, Oscar também comenta da função tática que fez na seleção brasileira e as expectativas para a convocação para a Copa do Mundo.

Além disso, o meia analisa a atual crise do São Paulo, clube que o revelou e a liderança de Rogério Ceni dentro do elenco são-paulino.

ESTADO - Você participou de 72 jogos na temporada passada. Está era sua expectativa logo no primeiro ano?

OSCAR - A expectativa não era essa, mas realmente fui muito bem no começo da temporada e acabei jogando praticamente quase todas as partidas. Fiquei muito feliz e espero repetir mais uma bela temporada, jogando quase todos os jogos.

ESTADO - Apesar do número de jogos, você ficou no banco na final do Mundial de Clubes. Foi seu pior momento na temporada?

OSCAR - Não, acho que não. Mesmo ficando no banco na final, na semifinal eu fiz um grande jogo. Era o jeito do Rafa Benítez jogar. Ele me deixou fora da final. Esse ano nós saímos da Copa dos Campeões na primeira fase e depois teve a queda do treinador (Roberto Di Matteo), mas eu não posso dizer que tive momentos ruins nesta temporada.

ESTADO - Como foi trabalhar com Di Matteo e com Benítez?

OSCAR - Me ajudaram bastante. Acho que todos que estão vindo aí estão me ajudando bastante na parte tática, então eu fico muito feliz que eles me ajudaram.

ESTADO - Como tem sido o início de trabalho com o Mourinho?

OSCAR - Dá pra ver que é um dos melhores técnicos do mundo. Tomara que ele ajude bastante a gente nesta temporada, não só eu, mas nossa equipe toda pra chegar forte nas competições e ganhar títulos.

ESTADO - O Mourinho já deu mostras de como vai escalar o time e qual será o seu papel na equipe?

OSCAR - Então, não sei ainda. Eu sou um jogador que jogo de várias formas. Nos dois primeiros amistosos que fiz com ele eu joguei de meia centralizado e contra o Real Madrid eu joguei aberto. Não sei como ele vai me utilizar, só pretendo que ele me utilize.

ESTADO - A chegada do alemão Schurrle e a volta de empréstimo do belga De Bruyne, confirmado como parte do elenco principal, te ameaçaram de alguma forma? Afinal, são dois jogadores para sua posição na equipe.

OSCAR - Acho que não. Tem vários jogadores na mesma posição ali. Já tinha quatro muito bons eu, Hazard, Mata e o Moses e agora chegaram estes outros. É uma briga sadia e quem for melhor tem que jogar mesmo, se eles estiverem melhores eles vão jogar e eu vou estar bem preparado para estar jogando.

ESTADO - O que os seus companheiros estão falando sobre a possível chegada de Wayne Rooney para o Chelsea? Qual sua opinião sobre ele? A chegada dele poderia diminuir um pouco seu espaço no time titular?

OSCAR - Ia ajudar muito. É um dos melhores atacantes da Premier League, da Inglaterra e se vier para nosso time ia ajudar muito. E se ele viesse, não só eu, mas o Chelsea todo iria ficar muito feliz.

ESTADO - Quais são as expectativas do Chelsea para esta temporada? Quem você vê como favorito para conquistar a Premier League?

OSCAR - A expectativa do Chelsea é muito boa, de fazer uma boa temporada, com títulos, incluindo a Premier League, que vamos fazer de tudo para ganhar. Mas toda vez que começa uma temporada assim tem grandes candidatos e nós somos uns deles, que vão brigar até o final, mas tem Chelsea, Manchester United, City, o Arsenal, o Tottenham também.

ESTADO - E quais os seus planos individuais?

OSCAR - Eu espero fazer uma temporada parecida com a que eu fiz, com títulos já no primeiro ano, jogando muito bem, como titular. Espero fazer grandes jogos, tem Copa dos Campeões, tem Premier League, tem muito campeonato legal. Continuar indo para a seleção, que esse ano vai ser um ano de Copa do Mundo, então é uma temporada bem legal, que termina com a Copa e eu espero fazer uma temporada muito boa pra chegar bem na Copa.

ESTADO - A conquista da Europa League compensou a desclassificação da Copa dos Campeões?

OSCAR - Nosso time foi muito bem na Copa dos Campeões, mas perdemos alguns pontos bobos. Quem viu o nosso time jogar viu que merecíamos ter classificado. Ficamos com 10 pontos, mesmo número que o Shakhtar e um a menos que a Juventus. Não terminamos mal, muito mal, é um grande time que saiu da Copa. É ruim, mas a gente não passou vergonha. A gente tinha que continuar. Fomos bem na Premier League e a Europa League só veio para coroar o nosso ano muito bom.

ESTADO - O que mudou do Oscar do Brasileirão para o Oscar do Campeonato inglês?

OSCAR - Mudou bastante. Eu jogo de um jeito diferente aqui, com uma dinâmica diferente. Hoje eu sou um jogador muito melhor preparado para grandes jogos, para fazer uma grande temporada, eu sou novo, tenho 21 anos, e tenho muito que crescer. Tomara que eu faça uma bela temporada para cada vez estar melhorando.

ESTADO - Você acha que melhorou taticamente?

OSCAR - Taticamente e tecnicamente. O jogo aqui é muito rápido e sua técnica acaba aumentando também. Com certeza você evolui muito na Europa. Espero continuar esse processo que será bom para mim e para o Chelsea.

ESTADO - Como funciona o relacionamento do Abramovich com os jogadores?

OSCAR - A gente o vê bem de vez em quando. Lá o Chelsea tem um presidente que fica mais com a gente, no Brasil o presidente fica sempre bem mais próximo, vai até o campo. Ele (Abramovich) realmente é o dono do dinheiro então a gente tem muito menos contato.

ESTADO - Você acha que para chegar bem na Copa do Mundo tem que jogar muitos jogos como na temporada passada ou é importante dosar para chegar inteiro na Copa do Mundo?

OSCAR - Tem que jogar. Eu já vinha de duas temporadas seguidas jogando pelo Internacional, indo pra Olimpíada na sequência. Eu não vim de  mais de 70 jogos, eu já vinha de mais de 100 jogos antes disso. Mas eu acho que todos nós que estamos aqui temos que jogar o máximo de jogos possíveis. Até porque a gente não joga eliminatórias e temos que estar jogando em alto nível

ESTADO - O que você acha que precisa para garantir sua vaga na Copa do Mundo?

OSCAR - Não tem ninguém garantido. No Brasil sempre aparecem grandes jogadores então eu tenho que continuar trabalhando, fazendo o que eu fiz no ano passado, fazer o que eu venho fazendo pela seleção no ano, jogando sempre bem. Seguir trabalhando bastante, treinando, sempre que for jogar, jogar bem. Fazendo minha parte e eu tenho certeza que eu posso chegar bem na Copa do Mundo.

ESTADO - E você acha que o Brasil está carente de camisas 10?

OSCAR - Não só o Brasil. É difícil jogar um camisa 10 igual jogavam antigamente, o futebol é muito diferente, se for jogar, nós temos jogadores brasileiros que podem jogar ali, muitos. Mas hoje no futebol é muito difícil, não é carência, o futebol hoje se joga de outra maneira. Então a gente tem que se adaptar a jeito que se joga. A seleção se adaptou e acabou jogando muito bem e conquistando a Copa das Confederações assim e tomara que chegue bem na Copa também.

ESTADO - Você, Lucas e Casemiro jogaram juntos nas categorias de base do São Paulo. Hoje você está no Chelsea, o Lucas foi com um dos reforços mais caros do PSG, Casemiro está sendo um dos destaques do Real Madrid nessa pré-temporada e o São Paulo está nessa crise toda. Você acredita que o São Paulo aproveita mal as suas categorias de base? O que você acha dessa situação?

OSCAR - Eu não diria que aproveita mal. Ultimamente aproveitou até que bem, lançou Lucas, Casemiro, lançou vários jogadores na era Baresi. Mas eu acho que tinha um time antes que era muito forte, que tinha eu, o Casemiro, o Wellington jogado que ele não soube aproveitar bem. Era uma geração de futuro e que eles poderiam dar muito mais valor do que deram. Mas também o futebol é assim, eles não deram esse valor porque tinham jogadores bons, e vinha de três conquistas do Brasileirão, então é difícil lançar meninos desse jeito. Mas a gente fica triste por ver um grande clube brasileiro passando por isso aí.

ESTADO - Quando você atuava no São Paulo como era a liderança do Rogério Ceni?

OSCAR - O Rogério é o grande líder do São Paulo, é ídolo do São Paulo, todo mundo respeita e ouve ele porque é um cara que venceu tudo dentro do clube. Eu não era diferente, sem ouvia o Rogério, é um ídolo pra mim. Então não tem o que falar do Rogério, ele é líder e enquanto ele estiver lá ele vai continuar sendo líder.

Tudo o que sabemos sobre:
futinterCampeonato InglêsChelsea

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.