Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

Sem modéstia, Blatter afirma: 'Tento domar o monstro do futebol'

Dirigente exalta sua própria trajetória de 17 anos à frente da Fifa

Estadão Conteúdo

12 de maio de 2015 | 12h33

Prestes a concorrer a seu quinto mandato à frente da Fifa, o suíço Joseph Blatter fez um balanço de seus 17 anos como presidente da entidade. Sem falsa modéstia, ele celebrou os rumos que o futebol tomou neste período, exaltou o alcance que a modalidade tem atualmente e classificou esta grandiosidade como "um monstro".

Em entrevista ao jornal suíço 20 Minutos, Blatter revelou que seu antecessor no cargo, o brasileiro João Havelange, um dia lhe disse: "Sepp, você criou um monstro". Sem pestanejar, o atual presidente revelou ter respondido: "Sim, mas eu tento domar este monstro".

O suíço salientou o crescimento nos valores recebidos pela Fifa, principalmente graças à negociação dos direitos de transmissão para a televisão. Em busca de mais uma reeleição, ele falou sobre a evolução da modalidade e citou o fato de a entidade ter obtido um lucro superior a US$ 2 bilhões (cerca de R$ 6,8 milhões) pela primeira vez em 2014.

Blatter lembrou da pesquisa de uma revista alemã, que estimou que 1,6 bilhão de pessoas ao redor do mundo estão ligadas ao futebol de alguma forma, para comentar sobre o crescimento do esporte. "Este poder do futebol é maravilhoso, mesmo que ao mesmo tempo seja assustador."

O jornal suíço fez questão de esclarecer que Blatter impediu que fossem feitas perguntas sobre a próxima eleição presidencial da Fifa, que acontecerá no próximo dia 29. "Eu sou o presidente, não um candidato", disse o suíço, que será um dos candidatos. "É por isso que não quero falar sobre a votação."

O atual mandatário vai concorrer com o príncipe jordaniano Ali bin al-Hussein, com o ex-jogador de futebol português Luis Figo e com o holandês Michael van Praag. Depois de tanto tempo no poder, Blatter não parece disposto a deixar o cargo.

Perguntando sobre o motivo de não ter preparado um sucessor, como ele próprio foi preparado por João Havelange, Blatter respondeu de forma ríspida: "Havelange nunca treinou um sucessor, o sucessor se construiu sozinho".

Tudo o que sabemos sobre:
futebolFifaJoseph Blatter

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.