Franck Fife/AFP
Franck Fife/AFP

Sem Neymar, PSG prega união e força para encarar o Real Madrid

Clube parisiense propõe à torcida um mobilização geral, como forma de tentar superar o baque pela perda do brasileiro

Andrei Netto, correspondente em Paris, O Estado de S.Paulo

04 Março 2018 | 07h00

Passado o choque da perda de seu principal ídolo e referência técnica, diretores, comissão técnica e jogadores do Paris Saint-Germain (PSG) iniciaram nas últimas horas uma “remobilização’’ da torcida para o confronto decisivo contra o Real Madrid, pelas oitavas de final da Liga dos Campeões. Em pronunciamentos oficiais e via redes sociais, o clube lançou uma campanha com o mote “Juntos, somos invencíveis”, pela união entre o time e arquibancada.

+ Após cirurgia, Neymar fica no Brasil e inicia reabilitação no Rio

+ Presença de Neymar em hospital atrai crianças, celebração de jovens e protestos

Uma vitória por dois gols de vantagem no jogo de terça-feira, no Parque dos Príncipes, é obrigatória para as pretensões do clube da capital francesa, que investiu pesado na temporada 2017-2018 – inclusive no astro brasileiro – para realizar seu principal objetivo: romper a recente hegemonia espanhola e conquistar a Europa. Depois de quatro dias de expectativa em relação à gravidade da lesão de Neymar, e da frustração e do abatimento gerados pela necessidade de cirurgia no pé direito, a hora é de reversão do estado de espírito e de otimismo.

Na sexta-feira, a direção lançou nas redes sociais do clube um vídeo em que mobilizou os demais atletas para passar uma mensagem de guerra no confronto contra o Real, após a derrota de 3 a 1 em Madri. “Há dias que valem mais do que outros. O 6 de março será um desses dias. Nós deveremos ser barulhentos, ensurdecedores, mais fortes do que nunca”, diz o narrador da mensagem. Nas imagens, atletas como Thiago Silva, Verrati, Di María, Cavani e Daniel Alves exortam à garra e à união com a torcida. “Eles têm 11 homens. Nós temos 11 guerreiros”, afirma o vídeo, que termina com um recado para os torcedores: “Nós estamos unidos. O passado é uma história. O futuro cabe à nós. Juntos, somos invencíveis’’.

O mesmo estado de espírito foi passado por Unai Emery. O treinador do PSG admitiu que esperou com otimismo até o último momento a palavra dos médicos, na expectativa de que indicassem que a lesão de Neymar não exigiria cirurgia. Mas disse saber desde o princípio que a chance de o brasileiro participar do jogo era de não mais de 10%. “Neymar é um jogador importante, mas temos de responder sem ele”, afirmou Emery, bombardeado de perguntas sobre o astro da seleção brasileira. “Enfrentamos (o momento) com otimismo, com confiança, dedicação, carinho, com sonho. Todos os torcedores e o mundo do futebol em geral estão ansiosos por essa partida. Estou otimista e sei que podemos chegar lá”, garantiu.

Emery desmentiu ainda, mais uma vez, os rumores que cercaram a decisão sobre a cirurgia de Neymar. Sustentou que houve consenso entre o PSG, a seleção brasileira e jogador.

“Muito do que saiu no exterior não era verdade, mas não podemos sair todos os dias para dizer que isso é verdadeiro, isso é falso”, lamentou, enumerando situações em que o grupo de jogadores e Neymar passaram juntos em Paris durante os dias de expectativa em torno da gravidade da lesão. “Nós somos fortes no interior”, assegurou.

Já projetando o confronto, Emery sugeriu que seu substituto será de fato o argentino Di María, que vem bem nos últimos jogos, em especial nas duas vitórias contra o Olympique de Marselha na semana passada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.