Susana Vera/Reuters
Susana Vera/Reuters

Sem Neymar, PSG tenta façanha diante do Real Madrid na Liga dos Campeões

Em recuperação de cirurgia, brasileiro desfalca time francês, que precisa descontar placar de 3 a 1 no jogo de ida

O Estado de S.Paulo

06 Março 2018 | 07h00

Para continuar sonhando com a conquista da Liga dos Campeões, sua grande obsessão, o Paris Saint-Germain precisa eliminar o Real Madrid, sem Neymar, que se recupera de uma fratura no quinto metatarso do pé direito. As equipes se enfrentam hoje às 16h45, no Parque dos Príncipes. O time francês precisa descontar a desvantagem de 3 a 1 do jogo de ida. Uma vitória por 2 a 0, portanto, é suficiente parar manter vivo o projeto de ser gigante. 

+ Técnico do PSG afirma que vitória significa um passo à frente

“Temos duas opções: sentar e chorar ou levantar. Obviamente, o PSG é muito mais forte com Neymar. É impossível deixar de sentir sua ausência. Mas, senta e chora ou levanta e luta. Eu sempre escolho a segunda opção”, declarou o lateral Daniel Alves. 

Nas últimas temporadas, o time parisiense tem investido pesado para conquistar o título da Liga dos Campeões. Mas a realidade tem sido dura no período em que o time está sob administração de um fundo de investimento do Catar. A equipe nunca passou além das quartas de final. Sua única participação nas semifinais foi em 1995. 

A temporada atual seria a grande chance para o PSG passar a ser encarado como um dos gigantes da Europa, mas primeiro terá que superar um grande obstáculo: o Real. Com três títulos da Liga dos Campeões nos últimos quatro anos (12 no total), o time espanhol é aquilo que o clube parisiense sonha se tornar no futuro. 

Primeiro, porém, a equipe dirigida por Emery deve se concentrar em reverter a vantagem do oponente. Terá de fazer isso sem Neymar, que se contundiu na partida contra o Olympique de Marselha em 25 de fevereiro, pelo Campeonato Francês, foi operado e não deve mais jogar nesta temporada. 

O PSG comprou Neymar do Barcelona por ¤ 222 milhões (R$ 824 milhões) na mais cara transação da história do futebol. Além disso, também acertou a chegada de Kylian Mbappé do Monaco por ¤ 180 milhões (R$ 665 milhões). Mas o jovem, de 19 anos, também pode ficar de fora do duelo por causa de um corte no tornozelo direito. Caso ele não atue, o trio ofensivo será formado por Julian Draxler, o artilheiro Edinson Cavani e o argentino Ángel Di María, que marcou 13 gols dede o mês de janeiro. 

O técnico do Real, Zinedine Zidane, minimizou a ausência de Neymar. “É um jogador excepcional, mas não muda nada porque haverá outro atleta muito motivado, que buscará fazer uma grande partida. Em relação à motivação, não muda também porque haverá um rival muito competitivo e com grandes jogadores”, afirmou.

Mesmo com desfalques, o poderio ofensivo nunca foi uma preocupação para o PSG. O verdadeiro problema é evitar os gols adversários. Foi assim na temporada passada, quando se tornou o primeiro time eliminado da Liga dos Campeões após abrir 4 a 0 no jogo de ida ao ser batido por 6 a 1 pelo Barcelona. 

Em Madri, levou dois gols nos minutos finais. Agora, em casa, terá que lidar com Cristiano Ronaldo novamente em boa forma, na artilharia da Liga dos Campeões, com 11. 

Liverpool x Porto 

O outro confronto desta terça-feira pela Liga dos Campeões está praticamente definido. O Liverpool, dono de cinco títulos, jogará em casa com o Porto, que já levou duas taças, após vencer por 5 a 0 o jogo de ida. Ainda assim, o técnico Jurgen Klopp afirmou que, em respeito ao adversário, não mexerá na equipe. “Nós até poderíamos (fazer alterações), mas não devo fazer isso porque poderia haver mal-entendido”, afirmou. “Quero mostrar respeito ao adversário e à competição”, disse.

Confira os resultados dos jogos de ida das Oitavas de Final:

13/02 - Juventus 2x2 Tottenham

14/02 - Real Madrid 3x1 PSG

14/02 - Porto 0x5 Liverpool

20/02 - Chelsea 1x1 Barcelona

20/02 - Bayern de Munique 5x0 Besiktas

21/02 - Sevilla 0x0 Manchester United

21/02 - Shakhtar 2x1 Roma

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.