Kirill Kudryavtsev/AFP
Kirill Kudryavtsev/AFP

Sem Neymar, seleção brasileira testa sua força em Moscou

Equipe faz amistoso contra a anfitriã Rússia e Tite espera que a ausência do craque não seja sentida

O Estado de S. Paulo

23 de março de 2018 | 06h27

Mostrar que é forte, independentemente de nomes. É isso que Tite espera da seleção brasileira no amistoso de hoje, às 13h (de Brasília) contra a Rússia, em Moscou. Na reta final para a Copa do Mundo, o desejo do treinador se explica: o time não terá sua estrela maior, o machucado Neymar. Ausência sentida, mas que abre a oportunidade de os jogadores, sobretudo os mais experientes e que vêm sendo aproveitados com regularidade, assumirem a responsabilidade de conduzir a equipe.

+ Confira todo o noticiário da Copa da Rússia

Tite fez mudanças. Além de colocar Douglas Costa na vaga de Neymar, barrou Renato Augusto e escalou Willian. Na defesa, optou por Thiago Silva, pois Marquinhos não está bem fisicamente e será preservado para o amistoso de terça-feira contra a Alemanha, em Berlim.

Ao mexer na frente, aproveitando Willian – “que está arrebentando” – e Douglas Costa, Tite pretende deixar a seleção mais “aguda’’, pois são dois jogadores que ele define como “verticais e ofensivos’’, e também com recursos para superar a defesa do time russo, esteja ela armada em linha de cinco ou de quatro jogadores.

“Na fase ofensiva é 4-3-3, sem abrir mão de ter meio-campo forte. O futebol passa pela imposição do meio-campo em sua capacidade criativa, lúdica, é um jogador vai compor essa posição (de ajudar o setor)”, disse Tite sobre o esquema tático.

Ele quer Paulinho chegando na área, mas também ajudando Casemiro a marcar. Vai colocar Philippe Coutinho mais centralizado, Willian pela direita e Douglas Costa pela esquerda.

Tite, aliás, preocupou-se em aliviar o peso sobre o atacante da Juventus. “O Douglas Costa não vai substituir o Neymar, vai ser Douglas Costa. O Neymar é insubstituível.”

A partida de hoje vai ser disputada no estádio Luzhniki, provavelmente sob temperatura negativa. O local será palco da decisão do Mundial da Rússia. Tite, que entre os argumentos para defender o amistoso contra a anfitriã, utilizou a importância de os jogadores sentirem o “clima de Copa”, admitiu querer mesmo é voltar à arena em 15 de julho. “Quem é que não sonha? Todos da Copa do Mundo sonham estar aqui na final’’, considera. Mas não quer parecer precipitado. “Temos de fazer o melhor trabalho e ele está no jogo de amanhã.”

A seleção brasileira vai estrear hoje a camisa número dois que utilizará no Mundial, na cor azul. Meias e calções têm a mesma cor. O goleiro Alisson será o capitão, continuando o rodízio no posto idealizado por Tite. Ele será o 15.º jogador a desempenhar o papel em 18 jogos sob o comando do treinador.

A camisa número um, amarela, vai ser usada no jogo de terça-feira com os alemães.

OLHO NA COPA

O treinador convocou 25 jogadores para os amistosos contra russos e alemães. Quer observar o comportamento emocional e técnico, principalmente dos novatos, mesmo que seja apenas nos treinos e na concentração. Isso visando à elaboração do grupo final que levará ao Mundial. Ainda assim, prefere não usar a palavra teste.

“Não vai ter teste. É oportunidade e quem não estiver bem terá seu substituto, mas não premedito nada”, afirmou Tite. “É a capacidade de ler o jogo, o que possa ser importante e um atleta que possa contribuir. Não tenho tempo para ver como é um atleta para convocar depois.”

A convocação final será feita no início de maio. Tite já tem 16 nomes definidos e admite quebrar a cabeça para fechar a relação de 23 atletas, por um motivo principal. “O que mais me pressiona, isso sim me pressiona, é poder olhar todo mundo e ser justo”, justificou. “Ser justo porque para o atleta também é um orgulho máximo estar aqui. Fico inquieto, chato, perturbado para avaliar todos e ser humanamente o mais justo possível.”

Ele reiterou considerar que chegar à seleção é o ápice da carreira de um técnico e lembrou que muitos profissionais de nível não tiveram essa chance. “Abel e Paulo Autuori, dois campeões do mundo por seus clubes, com trajetórias lindas, não tiveram oportunidade de estarem onde estou. Sou extremamente feliz pela oportunidade.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.