Instagram/ Alex dos Santos
Instagram/ Alex dos Santos

Sem passaporte e ameaçado por dirigente, jogador brasileiro vive drama na Indonésia

Depois de recorrer à Fifa por salários atrasados, atacante Alex dos Santos, que atua pelo Persita Tangerang, não consegue voltar ao Brasil

Redação, O Estado de S.Paulo

04 de dezembro de 2021 | 20h33

Sem passaporte, sem visto de trabalho, impossibilitado de jogar e respondendo um processo na justiça por difamação, o brasileiro Alex dos Santos Gonçalves, atacante de 31 anos do Persita Tangerang, vive um drama na Indonésia. Acuado e recluso em seu apartamento em Tangerang, região metropolitana de Jacarta, capital do país, o jogador não sabe como voltar para o Brasil e até pintou o cabelo para não ser identificado na rua. Alex está ameaçado de prisão pelo presidente do ex-clube por ter entrado com uma ação na Fifa por salários atrasados. O caso foi revelado pela ESPN, na última sexta-feira.

Os problemas de Alex começaram depois que o brasileiro recorreu à Fifa para denunciar o Persikabo, clube que defendeu na Indonésia em 2020, por uma redução salarial feita sem acordo. Por conta da pandemia, o jogador teve os seus vencimentos reduzidos pelo clube em 75%. Porém, de acordo com Alex, ele não foi consultado sobre essa decisão. Por esse motivo, o jogador levou o caso para a maior entidade do futebol sob a consultoria do advogado portguês Pedro Macieirinha. A Fifa deu causa ganha ao brasileiro e determinou que o clube indonésio pague à Alex a quantia de 60 mil dólares até o final do ano.

No primeiro semestre de 2021, Alex teve rápida passagem pelo futebol da Malásia, antes de voltar para a Indonésia para jogar pelo Persita Tangerang, seu time atual. Em outubro, o seu visto de trabalho vigente expirou e o brasileiro precisou recorrer ao antigo clube para renovar o documento. Nesse tempo, o Persikabo recebeu a notificação da Fifa e, sabendo que Alex precisava de uma documentação do clube, começou a chantagear o brasileiro.

E uma reunião realizada em Jacarta, o presidente do Persikabo, Bimo Wirjasoekarta, também conhecido como Bimo Del Piero afirmou que só concederia  ao jogador o documento necessário para a renovação do visto se Alex retirasse a ação que ele havia entrado na Fifa. Ao ouvir a negativa do atacante, o presidente do Persikabo chegou ameçá-lo de prisão.

 “Você quer que eu assine a carta. Sem problema, eu assino. Mas você tira a ação na Fifa. Se não, nós vamos te processar, você vai perder seu contrato, você não vai jogar futebol e você vai para a cadeia. É isso. Fácil”, afirmou o  dirigente durante a reunião, cujo áudio foi gravado e enviado à Fifa. Segundo Alex, a entidade abriu uma investigação contra Bimo.

Sem um visto de trabalho vigente, Alex dos Santos, revelado pelo Grêmio, está impossibilitado de jogar pelo atual clube, o Persita Tangerang desde outubro, quando expôs a sua situação por meio de uma publicação nas redes sociais: “Estou sendo impedido de fazer meu trabalho, de jogar pelo meu time, ajudar meus companheiros, correndo o risco de perder meu contrato e ter que voltar ao Brasil porque estou lutando pelos meus direitos!”, escreveu o jogador na postagem. A publicação só fez aumentar a perseguição de Bimo, que acusou Alex de difamação e abriu um processo contra o brasileiro.

PRESO NA INDONÉSIA

Por conta do processo, Alex recebeu uma notificação da polícia. Porém, por saber que o antigo clube tem relações passadas com o exército indonésio, o atleta brasileiro tem receio de comparecer em postos da polícia para explicar a sua situação. “O Persikabo é clube militar. Tem muita influência na política, eles me notificaram na polícia por difamação. Na segunda vou ter que ir à polícia prestar esclarecimentos”, contou o atleta ao Estadão. A embaixada brasileira acompanha a situação de Alex, e indicou para o atacante um advogado que o acompanhará na visita.

A intimação, porém, impede Alex de deixar a Indonésia. Não apenas porque ele precisa se defender da acusação de Bimo, mas também porque seu passaporte está retido com o Persita desde que entregou o documento para o atual time para a obtenção do novo visto. Porém,  como o brasileiro não conseguiu o documento necessário com o presidente do antigo clube, esse processo também está travado.

CLUBE ATUAL TAMBÉM DIFICULTA

O Persita também não parece disposto a ajudar Alex. Por não estar jogando, o brasileiro não recebeu o seu último salário e ouviu que só receberia depois que a situação estivesse resolvida.  

De acordo com o atacante, o Persita até o procurou para fazer uma rescisão de contrato e pagar todos os vencimentos previstos até o fim do vínculo formal com o jogador. Porém, Alex desconfiou e preferiu não assinar.

AJUDA DA FAMÍLIA E AMIGOS

Sozinho na Indonésia, Alex precisa lidar com a falta da família, que vive hoje em Porto Alegre. Desde o ano passado que ele não vê a esposa e o filho Adryan, de 9 anos e que, de acordo com o pai, já entende o que está acontecendo. Companheiros e amigos de Alex estão tentando ajudá-lo. Tinga, ex-volante, divulgou vídeos falando sobre a situação do amigo. O também ex-volante, e ex-treinador da seleção brasileira, Dunga, capitão do tetra mundial em 1994, também entrou em contato com Alex e afirmou que vai tentar ajudá-lo com contatos no governo brasileiro e na Fifa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.