Sem peritos, reconstituição do crime de Oruro é adiada

A reconstituição dos acontecimentos anteriores à morte do torcedor Kevin Beltran Espada a partir da visão dos 12 torcedores foi adiada para o dia 17 de abril. Embora os torcedores tenham se deslocado da penitenciária San Pedro para o Estádio Jesús Bermúdez, juntamente com representantes do Ministério Público, na tarde desta segunda-feira, os peritos bolivianos, que sairiam de La Paz, não compareceram à reconstituição em Oruro. Também contribuiu para o adiamento o fato de os familiares de Kevin não estarem presentes.

RAPHAEL RAMOS, Agência Estado

08 de abril de 2013 | 20h05

Essa etapa da investigação, chamada de inspeção pelas autoridades bolivianas, é importante para definir o rumo das investigações sobre a morte do adolescente atingido por um disparo de sinalizador da torcida corintiana, no dia 20 de fevereiro, na partida entre San Jose e Corinthians, pela Copa Libertadores. A reconstituição do crime propriamente dita será realizada apenas no final das investigações, que devem ser encerradas em cinco meses.

Para os corintianos, a etapa desta segunda é uma grande oportunidade para comprovarem a alegação de que não tiveram participação direta no disparo do sinalizador e aguardarem a conclusão do processo em prisão do domiciliar - a torcida Gaviões da Fiel já alugou um imóvel em Cochabamba para os torcedores. Os indiciados querem provar que o autor do disparo foi o menor de idade que confessou o crime, apresentou-se à justiça brasileira, e que aguarda definição da investigação feita no Brasil.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolCorinthiansOruro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.