Sem permissão, Parreira cruza os braços na África do Sul

Duas semanas após de chegado à África do Sul para comandar o seleção local, o técnico brasileiro Carlos Alberto Parreira precisou cruzar os braços porque o governo do país o proibiu de trabalhar. Parreira, de 64 anos, que chegou à Johannesburgo com um visto de turista, a partir desta segunda-feira está impedido de exercer sua função de treinador dos ´Bafana Bafana´ até conseguir um visto de trabalho. "Estamos falando com o Ministério do Interior para que o trâmite legal seja agilizado e o visto saia o mais rápido possível", disse o porta voz da Associação sul-africana de Futebol (SAFA), Morao Sanyane. "Esperamos que em algumas semanas esse problema seja solucionado, consedirando a importância do tema", acrescentou. A proibição afeta, além de Parreira, seu auxiliar técnico, Jairo Leal. Ambos chegaram à África do Sul no dia 26 de janeiro depois que o treinador foi contratado pela SAFA no dia 16 de agosto do ano passado. O brasileiro tem como principal objetivo preparar a seleção sul-africana para a Copa do Mundo de 2010, que será disputada no país, e a obrigação é de passar da 1.ª fase do Mundial.Apesar do contrato ter sido assinado há quase seis meses, os porta-vozes oficiais não deram mais explicações sobre o motivo na demora para a liberação do visto para Parreira e Jairo Leal. A África do Sul ficou de fora da Copa da Alemanha e não conseguiu marcar nenhum gol na última Copa Africana de Nações, disputada no começo do ano passado.Por enquanto, a estréia de Parreira no comando dos sul-africanos será contra o Chade, na capital chadiana, em março, pela fase classificatória da Copa Africana de Nações de 2008, que acontecerá em Gana.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.