Greenleaf/Divulgação
Greenleaf/Divulgação

Sem poder vistoriar Maracanã, Crea pode acionar Justiça para impedir jogo do Fla

Equipe do Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura foi barrada por supervisor de segurança

Clarissa Thomé, O Estado de S.Paulo

07 de março de 2017 | 11h54

Uma equipe do Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura (Crea) está sendo impedida de entrar no Maracanã na manhã desta terça-feira. Um supervisor de segurança não autorizou a entrada de engenheiros e técnicos do conselho, que fariam vistoria para atestar se o estádio tem condições de segurança de receber o público. Fechado desde o encerramento da Paralimpíada, em 18 de setembro, o Maracanã reabre nesta quarta-feira para a partida entre Flamengo e San Lorenzo, da Argentina, pela Copa Libertadores.

"Fomos barrados por um supervisor de segurança, que se identificou apenas como Altair. Se não fizermos a vistoria, vamos entrar na Justiça com pedido de liminar para impedir a realização do jogo", afirmou Jorge Mattos, coordenador da Câmara Especializada de Engenharia Civil do Crea.

Mattos lembra que o Maracanã ficou fechado após a Olimpíada e Paralimpíada. "Houve todo um imbróglio em que o Consórcio foi obrigado judicialmente a receber o Maracanã. A energia foi religada somente na semana passada. O tempo que tiveram para trabalhar foi curto. Queremos ter garantias de que há segurança para os torcedores", afirmou.

Na vistoria, serão analisadas as condições de funcionamento de elevadores, geradores, sistema de para-raios, prevenção de incêndio. "Queremos garantir, por exemplo, que, se faltar luz no estádio, os geradores vão funcionar e será possível evacuar 50 mil pessoas", afirmou. Ele ressaltou que o Crea marcou a vistoria para a véspera da partida porque não havia energia elétrica no estádio na semana anterior.

Tudo o que sabemos sobre:
FutebolMaracanãFlamengo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.