Sem quórum, presidente do Flu escapa de impeachment

Em situação complicada na tabela do Brasileirão, o Fluminense também vive um momento difícil na política do clube. Na noite desta quinta-feira, o presidente Roberto Horcades se livrou do impeachment do cargo por falta de quórum na reunião extraordinária do Conselho Deliberativo, no salão nobre da sede do clube, nas Laranjeiras.

AE, Agencia Estado

19 de novembro de 2009 | 22h56

Era preciso que 150 conselheiros comparecessem para que a reunião extraordinária fosse realizada. Mas apenas 103 compareceram. Diante do baixo comparecimento, o presidente do Conselho Deliberativo, Carlos Henrique Mariz, acabou encerrando a sessão, arquivando o processo de impeachment do dirigente. A decisão garantiu Horcades no cargo até o final do seu mandato, em dezembro de 2010.

A oposição, porém, ficou revoltada com o arquivamento do processo. Os opositores reclamaram da data do evento, véspera de feriado no Rio, e prometeram entrar com um requerimento para afastar o presidente do Conselho Deliberativo do clube, Carlos Henrique Mariz.

Horcades assumiu o cargo em 2005 e foi reeleito para mais um mandato, de três anos, em 2008. Em sua gestão, o Fluminense foi campeão estadual em 2008, levou o título da Copa do Brasil de 2007 e foi vice da Copa Libertadores no ano passado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.