Sem 'revolução', Ancelotti seguirá linha de trabalho de Guardiola no Bayern

Apresentado nesta segunda-feira como novo técnico do Bayern de Munique, Carlo Ancelotti declarou que vai dar sequência ao trabalho realizado por Pep Guardiola nos últimos anos e buscará um pouco mais de sucesso, em uma referência ao desejo do gigante alemão de voltar a conquistar o título da Liga dos Campeões da Europa.

Estadão Conteúdo

11 de julho de 2016 | 09h37

Guardiola, o seu antecessor, levou o Bayer a três títulos do Campeonato Alemão em suas três temporadas à frente do time. Mas depois de assumir a equipe que vinha de título da Liga dos Campeões, a levou apenas até as semifinais em todas as três temporadas, e decidiu não renovar seu contrato.

 

A esperança do Bayern é que Ancelotti conquiste o troféu com Guardiola, principalmente por ele ter ganhando a Liga dos Campeões duas vezes com o Milan e uma com o Real Madrid, mas ele se recusou a prometer isso na sua apresentação. O time alemão já venceu cinco vezes a Liga dos Campeões.

"Meu amigo Guardiola fez um grande trabalho aqui, e não estou aqui para fazer uma

revolução", disse Ancelotti. "Vou tentar seguir sua linha e jogar bem, um futebol ofensivo. Vamos tentar ser fortes em todas as competições e vencer todas elas. Mas eu não sou um mágico, e o Bayern não é o único clube em busca do título da Liga dos Campeões".

Ancelotti revelou ao jornal alemão Bild que Guardiola lhe deixou uma mensagem de "boa sorte" escrita em italiano na parede de sua sala no CT do Bayern. O treinador e Karl-Heinz Rummenigge, presidente do clube, disseram que não há planos imediatos para grandes contratações, mas também não descartou que elas possam ser realizadas.

"Nós realmente não temos um ótimo elenco e não estamos falando sobre novos jogadores, mas o mercado está aberto até o fim de agosto", disse Ancelotti. "Nós não estamos planejando novos jogadores, mas não estamos fechando a porta também", acrescentou Rummenigge.

O Bayern já se reforçou nas últimas semanas com o zagueiro Mats Hummels, que estava no Borussia Dortmund, e o meia Renato Sanches, que pertencia ao Benfica. Há especulações na imprensa alemã de que o meia-atacante Mario Götze e o zagueiro Medhi Benatia podem deixar o clube, mas Ancelotti e Rummenigge não confirmaram as informações.

Ancelotti disse que conta com eles como jogadores do Bayern, e que tinha falado com Götze há um mês, mas não quis dar detalhes. O meia-atacante foi o autor do gol que deu para a Alemanha o título da Copa do Mundo há dois anos, em decisão com a Argentina, mas ainda não conquistou a titularidade no Bayern. Além disso, foi pouco aproveitado na Eurocopa, torneio em que a seleção alemã caiu nas semifinais.

Uma saída do elenco do Bayern, no entanto, parece certa. Rummenigge revelou que o volante dinamarquês Pierre Emile Hojbjerg acerta os últimos detalhes da sua transferência ao inglês Southampton.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.