Sem Roger, Flu quer manter a concentração

Na véspera do jogo contra a Ponte Preta, adversária direta na luta por uma vaga na Copa Sul-Americana, o meia Roger decidiu rescindir contrato com o Fluminense em comum acordo com a diretoria. Ele entrou em atrito com o técnico Alexandre Gama, que optou por não relacioná-lo para o confronto de amanhã, às 16 horas, no Estádio da Cidadania, em Volta Redonda. Roger achou por bem sair do clube para resolver seu futuro com o Benfica, de Portugal, que detém seu passe. O jogador admitiu ter propostas de Corinthians, São Paulo, Santos e Cruzeiro. A fama de disciplinador de Gama não é novidade nas Laranjeiras. Que o diga o atacante Romário, dispensado recentemente após se desentender com o treinador tricolor. "Não houve barração. Queria apenas que ele melhorasse a cabeça e a parte física", declarou Gama, que também deixou fora o lateral-esquerdo Júnior César, que durante a semana teceu críticas ao treinador por não ser titular. Mineiro vai ser o escolhido e Juan ficará no banco de reservas. "É uma opção tática", despistou. O temor no Fluminense é que a saída repentina de Roger possa afetar o rendimento dos jogadores. O meia Ramon, agora o único responsável por criar jogadas para os atacantes Edmundo e Alessandro, lamentou a saída da estrela tricolor, mas pediu que a equipe mantenha a concentração. "Estou com muita vontade de levar o Fluminense à conquista da vaga para a Copa Sul-americana (classificam-se o campeão do Brasileiro e as equipes colocadas do 5.º ao 9.º lugar) e tenho certeza que o time todo está com esse mesmo pensamento", declarou Ramon, autor de 9 gols neste Campeonato Brasileiro. A equipe carioca tem 60 pontos e ocupa a 11ª colocação. A Ponte Preta está em nono, com 61. Resta ao Fluminense vencer amanhã e torcer por resultado adverso do Figueirense, 10.º lugar, para entrar na zona de classificação à Copa Sul-Americana.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.