Cesar Greco/Ag. Palmeiras
Cesar Greco/Ag. Palmeiras

Sem sistema de 2018, Palmeiras tem só duas posições em aberto no time titular

Time não adota mais o rodízio, repete formação e vê briga aberta apenas para as funções de armador e centroavante

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

13 de agosto de 2019 | 04h30

O Palmeiras vai para os quatro meses finais e decisivos da temporada 2019 cada vez mais distante do sistema de rodízio de titulares, proposta responsável pelo sucesso do clube em competições no segundo semestre do ano passado. Pelos últimos jogos do time e pelas escolhas do técnico Luiz Felipe Scolari para montar a formação titular, é possível notar a repetição de grande parte da equipe e a busca por opções em apenas duas funções.

Do goleiro ao centroavante, o Palmeiras tem mantido um padrão na escolha de nove dos 11 titulares. Somente para a posição de armador e para centroavante o treinador tem buscado trocar peças e experimentar diferentes entrosamentos. Contra o Bahia, no último domingo, Scarpa foi quem virou o meia e o estreante Luiz Adriano recebeu oportunidade no ataque. 

Nas partidas anteriores, a espinha dorsal da equipe pouco se alterou, exceto por casos como lesões, suspensões ou desgaste. Marcos Rocha e Diogo Barbosa agora pouco se revezam com Mayke e Victor Luís nas laterais. Luan e Gómez raramente deixam o posto de titulares na zaga, assim como Felipe Melo e Bruno Henrique compõem o meio-campo com regularidade. No ataque, Dudu continua intocável e agora recuperado de lesão, Willian, tem recebido sequência.

A base foi mantida por Felipão mesmo semanas atrás com compromissos seguidos entre Campeonato Brasileiro e Libertadores. As funções ainda em aberto no time (armador e centrovante) devem passar ainda por mais outras análises nas próximas semanas. No meio-campo, jogadores como Lucas Lima, Raphael Veiga e por último Gustavo Scarpa receberam oportunidades recentemente.

Já para o ataque, a tendência é Luiz Adriano ganhar sequência, após uma boa estreia contra o Bahia, no último domingo. Henrique Dourado chegou recentemente e também poderá ser testado na posição. O clube se prepara para uma possível negociação por Arthur Cabral, que aos 21 anos, atuou em poucas ocasiões de deve ser emprestado para ganhar experiência.

Com o calendário até o fim do ano marcado apenas por compromissos entre a Libertadores e o Campeonato Brasileiro, a tendência é o Palmeiras não ter um grande revezamento de titulares. No ano passado a equipe adotou a tática para dar conta dessas duas competições e também da Copa do Brasil, da qual foi semifinalista.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.