AFP
AFP

Sem Suárez, Chile supera Uruguai em valor de mercado

Seleções se enfrentam nesta quarta pela Copa América

O Estado de S. Paulo

23 de junho de 2015 | 10h29

Sem o atacante Luis Suárez na Copa América, suspenso desde a polêmica mordida em Giorgio Chiellini, na Copa do Mundo de 2014, não é surpresa para ninguém que a seleção uruguaia perde muito de seu poder de fogo. Em termos de valor de mercado, por exemplo, o jogador do Barcelona representa aproximadamente 36% do valor total dos jogadores do Uruguai somados.

Desta forma, o Chile, seleção da casa e adversária do Uruguai nas quartas-de-final da competição, em jogo que será disputado nesta quarta-feira, supera a seleção uruguaia em termos de valores com a ausência do principal astro da celeste. Somados, os jogadores chilenos representam, segundo o site alemão Transfermarkt, um valor total de 175 milhões de euros (R$ 606 milhões). Enquanto isso, o time uruguaio que está em solo chileno vale 166 milhões de euros (R$ 575 milhões).

O Chile, que vem tendo ascensão meteórica no futebol sul-americano nos últimos anos, tem seu alto valor de mercado 'puxado' pelos astros Alexis Sánchez, do Arsenal, e Arturo Vidal, da Juventus. Juntos, eles são avaliados em aproximadamente 87 milhões de euros (R$ 301 milhões), ou seja, quase metade do valor total do elenco. 

Já o Uruguai tem como 'peso de ouro' o goleador Edinson Cavani, do PSG, com 42 milhões de euros (R$ 145 milhões). O zagueiro Diego Godín, do Atlético de Madri, é avaliado em 30 milhões de euros (R$ 104 milhões). Porém, a 'estrela ausente' Luis Suárez tem cotações muito acima de qualquer jogador envolvido no confronto: 60 milhões de euros (R$ 208 milhões).

Entre os que atuam no Brasil, destaca-se Charles Aránguiz, do Inter, avaliado em R$ 33 milhões pelo portal, e o cruzeirense De Arrascaeta (R$ 24 milhões). Apesar da idade avançada, Jorge Valdivia, em fim de contrato com o Palmeiras, vale R$ 15,5 milhões. Eugenio Mena, também do Cruzeiro, fica em R$ 12 milhões e Martín Silva, do Vasco, R$ 7 milhões.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.