Felipe Santos/cearasc.com
Felipe Santos/cearasc.com

Sem subestimar a vice-lanterna Chapecoense, Ceará busca ao menos um ponto em Chapecó

Time cearense corre risco de rebaixamento e vai se complicar no Brasileirão em caso de derrota neste domingo

Redação, Estadão Conteúdo

17 de novembro de 2019 | 16h24

A derrota por 1 a 0 para o Fortaleza, no clássico do último domingo, doeu, mas já passou. Restam seis rodadas para o fim do Campeonato Brasileiro e o Ceará ainda corre grande risco de rebaixamento, tanto que tem tratado todo jogo com muita cautela, independentemente do adversário. No duelo deste domingo contra a vice-lanterna Chapecoense, muito perto de ter a queda confirmada, não será diferente. As equipes se enfrentarão a partir das 18 horas, na Arena Condá.

Segundo o técnico Adilson Batista, o Ceará terá problemas neste domingo se acreditar que a partida será fácil.

"Acho um jogo muito difícil, como sempre foi em Chapecó, independentemente da situação deles. Eles têm um belíssimo treinador, que é o Marquinhos (Santos). Vejo uma mobilização, são vários os interesses dentro de um jogo, tem o lado profissional, a dignidade. Alertamos desde o início da semana para se prepararem para enfrentar um jogo duro e difícil. Somente ao término do jogo vamos saber se eles não têm mais chance. Sabemos do nosso objetivo, que é conquistar no mínimo um ponto", avaliou o treinador.

Adilson vê com bons olhos a possibilidade de um empate porque o Ceará, dono de 36 pontos, já sabe que não terminará a rodada dentro da zona de rebaixamento, mesmo em caso de derrota. O ideal para tomar distância da degola e diminuir os riscos, no entanto, é uma vitória.

O treinador do Ceará optou por fazer mistério quanto à escalação para o duelo deste domingo, mas é bastante provável que ele faça mudanças, abandonando a formação com três zagueiros utilizada no clássico. O volante Pedro Ken e o atacante Bergson estão novamente à disposição após cumprirem suspensão e retornarão ao time. O zagueiro Tiago Alves também deve entrar. Para isso, Valdo, Eduardo Brock e Felippe Cardoso provavelmente irão para o banco.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.