Mauricio Dueñas/EFE
Mauricio Dueñas/EFE

Sem sustos, Colômbia precisa de apenas um tempo para bater a Venezuela por 3 a 0

Muriel (2) e Zapata marcaram os gols da vitória em Barranquilla; James Rodríguez teve boa atuação

Redação, O Estado de S.Paulo

09 de outubro de 2020 | 23h18

Com futebol ofensivo, bom toque de bola e orquestrado por James Rodríguez, a Colômbia não teve problemas para estrear com vitória nas Eliminatórias Sul-Americanas para a Copa do Mundo do Catar, nesta sexta-feira, ao marcar 3 a 0 sobre a Venezuela, em Barranquilla. Todos os gols saíram na primeira etapa.

A Colômbia se impôs na partida desde o início e dominou a disputa, mas aos oito minutos perdeu Arias, que prendeu o pé no gramado e se machucou. O juiz tinha interpretado, primeiramente que Machís teria cometido falta e aplicou o cartão vermelho, anulado dois minutos depois.

Os colombianos seguiram no ataque e James Rodríguez deu belo passe para Cuadrado na direita. O cruzamento encontrou Zapata livre: 1 a 0, aos 15 minutos. Em vantagem, os donos da casa aumentaram o ritmo e criaram mais chances de ampliar.

O segundo gol veio aos 25 minutos, após Mojica fazer grande jogada pela esquerda e cruzar para Muriel, sem marcação, bater com categoria: 2 a 0.

Sem pressão, a Colômbia soube usar o seu toque de bola para cansar a Venezuela, segurar a bola no campo de ataque e ainda conseguir o terceiro gol. Muriel, em jogada individual, disparou pela esquerda e fez 3 a 0, aos 47 minutos.

A Venezuela voltou para o segundo tempo com a intenção de pelo menos diminuir o prejuízo e apostou nas batidas na bola do corintiano Otero. Cada equipe chegou a acertar a trave, mas ninguém mexeu mais no placar.

As duas seleções voltam a jogar na terça-feira pelas Eliminatórias. Em Mérida, a Venezuela recebe o Paraguai, que empatou com o Peru, enquanto a Colômbia vai até Santiago, onde terá pela frente o Chile, derrotado pelo Uruguai na primeira rodada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.