José Patrício/Estadão
José Patrício/Estadão

Sem Valdivia e Kardec, Palmeiras tenta voltar a disparar

Embalado na Série B, time quer abrir vantagem sobre o segundo colocado Chapecoense

CIRO CAMPOS, Agência Estado

13 de agosto de 2013 | 08h05

SÃO PAULO - Tentar se reinventar será a missão do Palmeiras para buscar uma vitória contra o Joinville, nesta terça-feira, às 21h50, fora de casa. Há nove jogos sem perder e líder da Série B do Campeonato Brasileiro, o time precisa superar a ausência de dois grandes responsáveis pela boa fase. O atacante Alan Kardec e o meia Valdivia estão suspensos e serão desfalques.

Embalado na Série B, o Palmeiras está com 34 pontos e espera voltar a abrir vantagem na liderança sobre o Chapecoense, que tem um jogo a menos que o time paulista e no último domingo bateu o Guaratinguetá por 1 a 0. Com isso, a equipe de Chapecó ficou novamente dois pontos atrás dos palmeirenses na tabela de classificação.

Sem contar com os dois jogadores, o técnico Gilson Kleina escala o Palmeiras com as entradas de Mendieta no meio-campo e de Ananias no ataque. "Precisamos muito do Valdivia nessa caminhada, mas temos jogadores de alto nível para suprir a falta dele", afirmou nesta segunda-feira o lateral-esquerdo Juninho.

Desde que o chileno voltou ao time após se recuperar de lesão, atuou sete vezes, deu três assistências e fez dois gols. O atacante Alan Kardec também contribuiu bastante para garantir ao Palmeiras a sequência de quatro vitórias consecutivas. Após chegar ao clube, disputou seis jogos e, ao marcar quatro vezes, passou a ser o artilheiro da equipe na Série B ao lado de Leandro.

Nesta segunda, antes da viagem até Joinville, a equipe realizou um treino tático em que a parte defensiva foi prioridade. A atividade deu ênfase ao encurtamento de espaços, marcação na saída de bola e posicionamento da defesa nas jogadas aéreas. A preocupação do técnico é evitar repetir a mesma falha do jogo de sábado, quando o time levou um gol do Paraná em um cruzamento.

Pela frente nesta terça-feira estará um adversário "mordido" e com vontade de reagir. Após largar no G-4 da Série B, o Joinville caiu de produção, trocou de técnico e, agora em 8º lugar, tenta retomar a vaga entre as primeiras posições. A equipe tem a terceira melhor média de público como mandante na competição e entra em campo em um estádio com capacidade para 17 mil pessoas, onde costuma pressionar bastante. "Joguei algumas vezes lá na Arena Joinville quando estava no Figueirense e sempre foram partidas muito complicadas", contou Juninho.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.